Pastor John Finley posa com jovens membros da Igreja Batista Travis Avenue em Fort Worth, Texas, nos anos 80
Pastor John Finley posa com jovens membros da Igreja Batista Travis Avenue em Fort Worth, Texas, nos anos 80

O pastor batista da Southern, John Finley, renunciou após 31 anos no comando da Bartlett Hills Baptist Church, em Bartlett, Tennessee, nos EUA, após acusações de ter molestado sexualmente duas adolescentes há mais de 30 anos enquanto servia em uma igreja no Texas.

Finley, de 62 anos, renunciou em abril depois que funcionários e líderes da Igreja o confrontaram sobre alegações detalhadas que receberam de mulheres que disseram ter sido repetidamente abusadas sexualmente por Finley quando ele era seu líder de grupo juvenil na Travis Avenue Baptist Churc,h em Fort Worth, na Inglaterra, nos anos 80.

“Fiz algumas escolhas ruins e me envolvi com duas mulheres em comportamento inadequado”, disse Finley em seu discurso de renúncia perante a congregação em 8 de abril, informou a Star-Telegram esta semana. “Não houve sexo. Ambas as mulheres tinham mais de 18 anos. No melhor interesse da nossa igreja, eu escolho renunciar imediatamente.”

Seus acusadores, cujos nomes não foram divulgados, afirmam que o que Finley disse à sua congregação em seu discurso de renúncia foi uma mentira. Eles disseram ao jornal do Texas que elas tinham entre 15 e 17 anos quando foram maltratadas por Finley, que tinha 20 e poucos anos na época.

Além de beijos indesejados, Finley é acusado de tocar inadequadamente as garotas em seus seios e nádegas. O pastor também é acusado de tocar uma das costas da menina com um pênis ereto e até mesmo fazer uma das meninas tocar seu pênis com a mão.

Como Finley não está na Igreja Batista Travis Avenue desde 1986, as mulheres afirmam que foram feitas tentativas nos últimos 15 anos para alertar a Igreja Batista de Bartlett Hills, no Tennessee, sobre os abusos de Finley.

Mas foi só depois que os acusadores enviaram uma carta a seis membros e líderes da igreja no dia 3 de abril, que Finley se sentiu obrigado a renunciar.

“Seis funcionários e líderes da igreja receberam uma carta em 3 de abril de 2018, contendo as alegações e um pedido para que John Finley fosse removido como pastor. Na mesma noite nos encontramos com John Finley, mostramos a carta e o questionamos sobre as alegações”, disse Ted Rasbach, presidente do Comitê de Pessoal da Igreja Batista de Bartlett Hills ao The Christian Post em um e-mail. “Terminamos a reunião e nos encontramos pela segunda vez em 5 de abril, quando Finley anunciou que ele estaria renunciando voluntariamente, o que ele fez em 8 de abril durante nosso culto de adoração.”

As mulheres apresentaram relatórios à polícia em Fort Worth em janeiro de 2018. Uma das mulheres acusou o pastor de abusar dela várias vezes entre as idades de 15 e 17 anos. Outro acusadora também disse que ela foi agredida por um período de dois anos, quando ela era adolescente.

Como o alegado abuso ocorreu sob a supervisão da Travis Avenue Baptist Church, Floyd e o pastor-chefe Mike Dean fizeram tudo o que podiam para tentar corrigir a situação das mulheres.

“O que eu esperava fazer é conscientizar outras pessoas sobre o que ele havia feito no passado”, disse Floyd ao Star-Telegram . “Eu estava tentando conter a probabilidade de que ele pudesse fazer qualquer outra coisa.”

A notícia da renúncia de Finley acontece quando a Convenção Batista do Sul enfrentou seu próprio movimento #MeToo nos últimos meses.

Semanas antes de Finley renunciar, o pastor Andy Savage, do Highpoint Church, em Memphis,  pediu demissão depois que uma mulher se apresentou alegando que ele a coagira a fazer sexo oral mais de 20 anos atrás, quando ela tinha 17 anos.

Mais recentemente, o ex-presidente do Seminário Teológico Batista do Sudoeste, Paige Patterson, renunciou no final de maio em  meio a controvérsias e reações em torno de seus comentários anteriores sobre mulheres, abuso e divórcio.

No meio da controvérsia de Patterson, o ex-presidente da SBC, Steve Gaines, pediu perdão em nome de toda a congregação.

“Em nome da SBC, peço perdão a todas as mulheres que foram prejudicadas por esses comentários e pela questão do tratamento inadequado das mulheres dentro das igrejas em particular”, disse Gaines na época . “Eu acredito que devemos estimar e considerar as mulheres da mesma maneira que Jesus fez durante o seu ministério terrestre”

“As mulheres são criadas à imagem de Deus e são de grande valor e importância”, acrescentou. “A igreja, especialmente, não é lugar para misoginia ou desrespeito por ninguém.”

Fonte: The Christian Post