Em encontro para selar o apoio de pastores evangélicos, Fernando Gabeira (PV) teve sua trajetória comparada à história do profeta Moisés. Político sem religião declarada, o verde pediu uma oração por ele e seu projeto para a cidade.

Gabeira recebeu o apoio do líder da Igreja Reina, o bispo Hermes Fernandes, e de pastores da Assembléia de Deus e das igrejas Batista e Presbiteriana, em cerimônia em Campo Grande (zona oeste).

Na oração solicitada pelo candidato, o reverendo inglês Martin Scott, em visita ao Brasil pela Pioneer Church (igreja pioneira, em inglês), afirmou que “há comparação entre o senhor [Gabeira] e aquilo que Moisés atravessou”.

“Ele [Moisés] se inquietou muito com a pobreza e a escravidão em que o povo se encontrava na época. Atravessou uma época sendo mal compreendido, uma temporada de exílio, mas voltou para o seu povo. Ele ficou relutante e teve dificuldade para aceitar aquele chamado. Não estou dizendo que você é como ele, mas há uma comparação”, afirmou Scott.

O profeta Moisés (século 13 a.C.) foi educado como um príncipe egípcio, embora fosse hebreu -povo escravizado no Egito. Ele se exilou por 40 anos após matar um feitor e retornou para conduzir os hebreus à Terra Prometida.

Para uma platéia de cerca de 120 pessoas -entre pastores e fiéis- Scott afirmou que “a Bíblia é clara quando diz que os apontados para cargos públicos são apontados de Deus”.

“Esse é o momento mais importante da sua vida, quando todos os motivos para você [Gabeira] ter nascido estão para se cumprir”, afirmou Scott. Gabeira ouviu a oração com a mão do bispo Hermes em seu peito.

O candidato do PV disse que sua proposta é formar “uma grande frente em que as divergências ideológicas e religiosas, as ambições pessoais vão para um segundo plano”.

O bispo Hermes fez discurso semelhante ao abrir a cerimônia, dizendo que o mundo “está em crise”. “Não me refiro à crise das bolsas, mas a uma crise ética.” Enquanto Gabeira procurou mostrar “pontos em comum” entre ele e a comunidade evangélica. Disse ser “vítima de preconceito”, “lutador pela liberdade de religião”, dotado de “compaixão” e “desapego aos bens materiais”.

Segundo Hermes, já havia um apoio informal a Gabeira no primeiro turno, pois ele foi o único candidato a ir a um debate feito pela igreja em julho.

Para o bispo, as posições do candidato em relação às drogas e homossexuais “não estão em jogo agora”. “Se como deputado ele não conseguiu alterar leis, como prefeito não há o que temer”, disse. Hermes admitiu que a igreja fará campanha em favor do candidato nos cultos.

Fonte: Folha Online