Homem nega as acusações e diz ter “a consciência limpíssima”. Pastor é o terceiro líder religioso preso no DF em uma semana.

O delegado Mauro Cezar Lima, da Polícia Civil do Distrito Federal, afirmou nesta nesta quinta-feira (5) acreditar que o pastor preso sob suspeita de abusar sexualmente de duas crianças tenha cometido o crime cerca de cinco vezes, dentro do carro, no caminho entre a igreja e a casa dele. O homem nega as acusações e diz ter “a consciência limpíssima”.

“Ele conquistou a confiança dos fiéis e também dos filhos. No trajeto da igreja, no Guará, até a casa dele, em Vicente Pires, ele praticava o abuso. Ele dizia que tinha o amparo de Deus, que era uma coisa certa. Na casa dele, ele obrigava as crianças a assistirem filmes pornográficos”, disse o delegado Lima.

A apuração começou em setembro, quando os pais de dois garotos de 6 e 8 anos, que são primos e frequentavam a igreja comandada pelo pastor, registraram ocorrência. De acordo com o suspeito, os garotos estiveram na casa dele três vezes, para brincar com o filho adotivo dele, de 8 anos. Ele afirma ser inocente.

“Nunca andei sozinho com eles no carro, meu filho sempre estava junto. […] Eles dormiam no quarto do meu filho e no dia seguinte eu os levava de volta para casa. […] “Ela (a mãe da criança de 8 anos) falou para mim que ela gostava de mim e queria ter um caso comigo. (…) O pai disse que confiava em mim e que sabia que eu não tinha feito isso que ela falou”, afirmou o pastor.

A polícia também investiga se o homem teria cometido o crime contra o próprio filho. A pena para estupro de vulnerável é de 8 a 15 anos de prisão.

[b]Outros casos
[/b]
No dia 30 de dezembro, um padre da Igreja São Francisco de Assis foi preso preventivamente suspeito de abusar sexualmente de seis crianças da comunidade rural do Tororó, no Jardim Botânico. As vítimas seriam quatro meninas e um menino da mesma família, além de mais uma menina vizinha a esses irmãos. Ele negou o crime.

No dia 31 de dezembro, um pastor foi preso suspeito de formação de quadrilha e estelionato. O Conselho Eclesiástico da Igreja Batista Central de Brasília (IBCB) informou em nota no mesmo dia que ele foi afastado de suas funções sacerdotais.

[b]Fonte: G1[/b]