O proprietário do sobrado que desabou quinta-feira (27) e matou duas meninas, o pastor Gilberto Cavalcante, se apresentou e prestou depoimento à Polícia Civil. Quando o inquérito for concluído, ele poderá enfrentar processo por homicídio doloso (com intenção de matar) e lesão corporal dolosa.

Equipes da Defesa Civil Municipal do Rio demoliram sexta-feira (28) parte dos escombros do sobrado que desabou quinta-feira (27) e matou duas meninas, em Marechal Hermes, Rio de Janeiro. De acordo com o engenheiro e coordenador técnico do órgão, Luis André Moreira Alves, os escombros ofereciam risco aos imóveis vizinhos.

Os imóveis vizinhos ao sobrado estão liberados. Os escombros permanece isolados por faixas de segurança principalmente para evitar furtos de materiais.

Uma das meninas mortas no desabamento –Sara Santos Cavalcante, 12– era filha do pastor. Rafaela Lucena, 8, também morreu no acidente. Outras sete pessoas, entre elas a mulher do pastor, Rosângela, ficaram feridas.

De acordo com a Defesa Civil, o pastor sabia que o prédio podia desabar porque havia sido notificado da interdição dele, em março passado. Na ocasião, a Defesa Civil fechou o prédio devido a irregularidades na construção de um quarto andar e de uma piscina na cobertura. Nos meses seguintes, o pastor teria sido multado diversas vezes, por insistir na obra.

Fonte: Folha Online