O pastor Fabrício Fonseca e João Leite, que diz ter sido pastor presbiteriano, debateram durante o Jornal do Piauí.

João Leite, que diz ser pastor da Igreja da Comunidade Metropolitana, e o pastor Fabrício Fonseca, da Igreja Batista Nacional Nova Vida, travaram um áspero debate durante o Jornal do Piauí desta segunda (26). Um dia após a realização da Parada da Diversidade, o programa debateu o papel da religião na orientação sexual.

[img align=left width=300]http://www.cidadeverde.com/noticias/editor/assets/jun13/debate%20pastores1.jpg[/img]João Leite diz representar uma igreja que acolhe pessoas com diferentes orientações sexuais. Em seu depoimento, ele explicou que durante muitos anos teve a sexualidade reprimida na igreja onde frequentava e chegou a casar-se.

“Fui pastor da Igreja Presbiteriana por seis anos e acabei por minha orientação saindo da igreja de tanto as pessoas falarem. Cheguei a casar e isso me afetava muito. Deixei de acreditar no amor de Deus por mim e hoje eu sei que o amor dEle é para todas as pessoas”, relatou.

João Leite explicou que a nova igreja acolhe homossexuais. Muitos membros estiveram presentes ontem (25) na Parada da Diversidade. “A gente crê no Espírito Santo, seguimos a Bíblia e todos os preceitos religiosos. Nossa ideia não é causar polêmica. Só queremos o direito de seguir a Deus”, declarou.

Mas o pastor Fabrício Fonseca contestou com veemência. Para ele, o papel da Igreja é mostrar os preceitos bíblicos e cada pessoa, assim, se modificará. Fabrício prega que a ciência define a existência apenas de homens e mulheres, pelos cromossomos, e que a atuação do Espírito Santo é capaz de orientar a conduta.

“A ciência comprova que o homem nasce homem por causa dos cromossomos. Isso é cientifico. Se ele quiser, ele pode ser heterossexual. Porque ele não deixa o Espírito Santo trabalhar? Tudo na vida tem que ter regras. Eu não mando ninguém mudar nada. Romanos diz que a fé vem pelo ouvir. Eu vou pregando a palavra e o Espírito de Deus vai trabalhando na pessoa. A Bíblia é quem vai orientar. Se você quiser eu trago duas pessoas no seu programa para provar que são ex-homossexuais”, desafiou.

[b]Fonte: Cidade Verde[/b]