A polícia chegou até o local através de uma denúncia anônima, e deteve o pastor que estava distribuindo material de campanha de candidatos.

No último domingo um pastor evangélico foi preso na cidade de Sete Barras, no interior de São Paulo, fazendo boca de urna em frente ao templo de uma igreja.

[img align=left width=300]http://i1.wp.com/noticias.gospelmais.com.br/files/2014/10/pastor-preso-boca-de-urna.jpg?fit=200%2C220[/img]De acordo com o G1, a Polícia Militar chegou até o religioso após receber uma denúncia anônima, por volta das 15h30, informando que um homem estava na frente de uma igreja evangélica distribuindo jornais, e que dentro dos jornais havia “santinhos” de candidatos.

Deslocada até o local, uma equipe da PM flagrou a situação descrita na denúncia, e deteve Ricardo Alexandre Ventola, de 39 anos, que foi identificado como pastor. O material foi apreendido e ele foi detido para esclarecer a situação.

Ao ser abordado pela guarnição policial, Ventola estava em frente a uma igreja localizada na Avenida Julio Prestes, no Centro da cidade, e portava jornais e papéis com a indicação de candidatos, o que representa um crime eleitoral. O caso foi registrado na Delegacia Sede da cidade.

De acordo com o TSE (Tribunal Superior Eleitoral), no dia da eleição, pode ser considerado crime a divulgação de qualquer espécie de propaganda de partidos políticos ou de candidatos, bem como o uso de alto-falantes e amplificadores de som ou a promoção de comício ou carreata por candidatos e outros políticos.

Segundo o procurador assessor da PGE (Procuradoria Geral Eleitoral), João Heliofar, em casos com esse os infratores são geralmente conduzidas à delegacia e não permanecem presas por se tratar de um crime de “menor potencial ofensivo”, mas são procurados posteriormente e respondem judicialmente pelo ato. As penas para esses crimes eleitorais variam de 6 meses a um ano — com a alternativa de prestação de serviços à comunidade pelo mesmo período — e multa no valor de R$ 5.320,50 a R$ 15.961,50.

[b]Fonte: Gospel +[/b]