Enquanto os filhos crescem, os pais precisam ensinar e lidar com assuntos delicados, como o sexo. Para auxiliar as famílias a manterem uma visão bíblica e saudável sobre o assunto, o pastor americano Mark Driscoll fala sobre o momento e a forma correta de passar isso para as crianças.

[img align=left width=300]https://thumbor.guiame.com.br/unsafe/840×500/smart/media.guiame.com.br/archives/2017/01/17/3719335922-pais-e-filhos.jpg[/img]Pai de cinco filhos, Driscoll e sua esposa, Grace, acreditam que é importante não ter apenas uma conversa única, mas sim conversas contínuas. “A pior coisa que você pode fazer com seu filho é se sentar com ele e ter uma intensa conversa sobre sexo”, disse o pastor.

“É uma goteira, não uma enxurrada. São poucas informações ao longo do tempo, que começam quando eles são pequenos até chegarem à idade apropriada. À medida que crescem, um canal de comunicação é aberto — o que é natural no relacionamento entre pais e filhos, onde você deixa eles se sentirem livres para fazer perguntas”.

Essas conversas devem começar quando as crianças são muito pequenas, abordando sobre as partes do corpo, discrição e privacidade: “É ensinar a eles: ‘aqui estão as partes do seu corpo’. Vá em frente, dê o nome real, para que eles saibam quais são as partes privadas de seu corpo que não devem ser mostradas ou compartilhadas”, disse Driscoll.

Quando as crianças começam a frequentar a escola, ficam expostas à mídia — que, infelizmente, está cheia de conteúdo sexual. Driscoll lembra que, de acordo com as estatísticas, 90% das crianças entre 8 e 16 anos já viram pornografia na internet, na maioria dos casos é sem querer.

[b]Adolescência[/b]

Quando as crianças atingem a puberdade, é hora de aumentar o nível da conversa, observa Driscoll. “Esses anos de puberdade são cruciais e críticos. Agora eles não têm apenas um interesse geral, às vezes, eles estão interessados em alguém em particular. É aqui que você começa a ter conversas mais pessoais — não na frente de toda a família”, afirma.

Em vez de reprimir seus filhos, é importante nutrir os aspectos positivos destes desejos, os incentivando a guardar seus corações e esperar pacientemente até uma idade em que eles possam se casar.

Às vezes, num esforço para manter os filhos virgens até o casamento, os pais fazem as relações sexuais parecerem ser algo violento e errado, podendo afetar negativamente as crianças à longo prazo.

“Você deve manter o padrão criado por Deus e preparar as crianças para alcançarem esse padrão e desfrutarem o presente da intimidade conjugal dado por Deus”, disse o pastor.

Durante os anos de namoro, é importante discutir os limites e a pureza, sempre checando como eles estão lidando com sua situação, com algumas perguntas: “Como são suas lutas e tentações? Como é sua comunicação com seu parceiro? Existe algo que eu possa te ajudar? Existe algo em que eu possa orar por você?”.

Driscoll também aconselha os pais a serem honesto suas próprias falhas cometidas ao longo da vida, para que os filhos se sintam confortáveis para abrir suas próprias lutas.

[b]Fonte: Guia-me[/b]