Deus está trabalhando em Uganda e o pastor Stephen Kaweesa é um dos que estão na linha de frente. Ele conta em primeira mão como a Portas Abertas tem sido um parceiro estratégico em seu ministério.

“Nos anos 70, quando o então ditador Idi Amin fechava igrejas e matava pessoas, eu tinha 18 anos e pastoreava uma igreja clandestina com cerca de 100 pessoas.

Um casal de pastores e eu tivemos a oportunidade de conhecer o Irmão André, que nos disse: “Vamos ajudá-los”.

Ganhamos uma bicicleta para visitarmos igrejas ao redor de Kampala e US$ 30 mensais, quantia que nos parecia muito.

Nós estávamos em uma situação difícil. Todos os dias e noites balas caíam perto de nós como chuva e podíamos ver muitas pessoas morrendo.

Perdemos tudo, mas Deus usou esse tempo para nos preparar para uma grande colheita futura. A construção disso só aconteceu durante os dias difíceis de Idi Amin.

Agora temos uma impressionante liberdade e a igreja está crescendo… em todos os lugares há cruzadas e seminários, até nas vilas mais remotas!

Nos últimos quatro anos tenho pastoreado uma igreja em uma área fortemente dominada por muçulmanos.

No primeiro ano crescemos em mais de 100 pessoas, no segundo ano chegamos a 250… agora temos 500 adultos e 700 crianças.

Mais de 50 são ex-muçulmanos que se converteram e se batizaram!

Nós mantemos um posto para alimentar as crianças com uma refeição e compartilhar do amor de Jesus. Mais de 150 delas são de famílias muçulmanas.

Nós também alcançamos 2500 crianças que estão no ensino fundamental e médio. Muitas estão se voltando a Cristo.

Temos mais de 50 igrejas sozinhas na Uganda e também trabalhamos no sul do Sudão, no Quênia, Tanzânia e outras áreas.

Deus nos chamou a alcançar os não-alcançados, onde os outros não querem ir… nós vamos!

Foi bastante encorajador receber o cuidado da Portas Abertas nesses anos terríveis. Foi através dessa situação que senti que não estava sozinho.

É animador saber que alguém está orando por você e que alguém está ajudando a te levantar.

O que realizamos hoje no ministério a cristãos perseguidos toca as pessoas em todo o mundo. Você tem ido onde outras pessoas não querem ir.

Não sei se você pode compreender o quão grande é o impacto das suas orações e contribuições para manter os cristãos. Saiba que nós de Uganda somos extremamente gratos por esse ministério! ”

Fonte: Portas Abertas