Oito líderes de igrejas, incluindo um pastor, foram presos durante uma reunião com 400 membros e detidos em Kadoma (12km ao sudoeste de Harare), no que aparenta ser uma perseguição promovida pelo governo da União Nacional Africana do Zimbábue – Frente Patriótica ( Zanu-PF, sigla em inglês)

Os líderes que foram presos são: Jonathan Gokovah, pastor Raymond Motsi, Pius Wakatama, pastor Ancelimo Magaya, pastor Wilson Mugabe, pastor Zvizai Chiponda, Lawrence Berejena e Gerald Mubaiwa.

Num e-mail da Fundação pela Razão e Justiça à ANS, o pastor Moyo diz: “A reunião era para os cristãos que não conseguiam permanecer em silêncio enquanto o país se encontra em chamas, empresas falidas, inflação alta, etc.”.

O pastor declarou: “Não estamos alinhados a qualquer partido político e não damos importância a quem rege esse país, desde que haja respeito pelos direitos dos cidadãos. Somos totalmente contra qualquer situação caracterizada pela má administração”.

Resistindo aos regimes opressores

A fundação disse ao governo do presidente Robert Mugabe que “trata-se de uma ditadura que tem levado dezenas de milhares de inocentes à morte”. “Ditadura é algo satânico. Recusar-se a resistir à ditadura é resistir à Deus. Os cristãos não só possuem o direito mas também a obrigação de remover a tirania”.

O e-mail alega que quando a Zanu PF matava 40 mil pessoas da língua ndebele, a igreja do Zimbábue permaneceu em silêncio.

”Quando o governo estava invadindo as fazendas, prejudicando a riqueza nacional e abusando dos direitos humanos, a igreja dizia que não tinha nada a ver com política. O juízo de Deus recairá sobre a igreja do Zimbábue por ignorar a injustiça social, ajudando a pobreza e a imoralidade política”.

Resposta de oração

Collen Makumbirofa, que trabalha na fundação, diz: “Tenho orado nos últimos seis anos para que Deus levante líderes na igreja e cristãos no Zimbábue que desafiem a corrupção dos políticos. O Estado determina se o povo viverá em paz ou terá um boa economia que possa prover oportunidades para as pessoas. Louvem a Deus! Agora os líderes cristãos estão se levantando contra a imoralidade mesmo com o país na situação que se encontra, com milhões passando fome.”

O julgamento dos líderes cristãos mencionados está previsto para ocorrer no dia 5 de março. Collen ainda acrescenta: “A igreja tem sido devastada por criminosos e satanistas. Continuem a orar para que uma mudança aconteça no país”.

Fonte: Portas Abertas