Três pastores foram presos em Masvingo, pelo Serviço Central de Inteligência do Zimbábue, porque distribuíram brinquedos e doces para as crianças. A ação ocorre depois da ameaça feita no mês passado pelo presidente do Zimbábue, Robert Mugabe.

Robert Mugabe ordenou que os líderes religiosos se afastassem da política, depois que bispos católicos denunciaram o governo do país pelo recorde de violações aos direitos humanos.

O reverendo Sonykis Chimbuya, o pastor Peter Bondai e o pastor Mugondi foram detidos e interrogados sobre a distribuição de brinquedos, doces e salgados a crianças pequenas no dia 10 de maio, segundo a Voz de Salem.

Os agentes do Serviço Central de Inteligência do Zimbábue acusaram os pastores por distribuírem material do Movimento de Mudança Democrática, que é o maior partido opositor ao governo.

Os pastores Peter Bondai e Mugondi foram soltos após o interrogatório que durou mais de três horas, enquanto o pastor Chimbuya foi seqüestrado. Horas depois, ele foi abandonado em uma estrada.

“Estamos vivendo em constante medo de perseguição pelo governo”, disse por telefone o reverendo Sonykis Chimbuya a Paul Ciniraj, diretor do ministério Voz de Salem.

‘Eles vieram, nos capturaram, um a um, e só soltaram nosso colega seqüestrado quando se convenceram da verdade”, disse o pastor.

Sermões censurados

O ministério Voz de Salem informou que os agentes de segurança exigiram que os pastores escrevessem seus sermões e apresentassem a eles antes de cada pregação.

O ministro de Segurança do Estado, Didymus Mutasa, não foi encontrado para comentar a questão.

Fonte: Portas Abertas