O cardeal-patriarca de Lisboa, José da Cruz Policarpo, deu início, neste domingo, a um ciclo de catequeses quaresmais, dedicado ao tema “As razões da nossa fé”.

O Cardeal Policarpo começou por uma reflexão sobre os “desertos” da sociedade e da Igreja, pedindo aos católicos que sintam a necessidade de “encontrar caminhos novos”.

“A própria Igreja, na sua complexa realidade, pode constituir, também ela, esse “deserto” onde é preciso encontrar novos caminhos para a Palavra do Senhor” _ disse o cardeal, na catedral de Lisboa.

Segundo o cardeal-patriarca da capital portuguesa, é preciso encontrar caminhos novos numa Igreja “onde uma religiosidade tradicional não exprime a exigência inovadora da Páscoa de Cristo, onde o abandono progressivo da prática religiosa, o divórcio entre fé e moral, isto é, a falta de coerência para se viver segundo a fé que se professa, revelam a pobreza de uma autêntica cultura religiosa”. Essas questões _ assinalou _ “exigem uma pastoral profética, que desbrave caminhos para um seguimento de Cristo, transformador da vida”.

“Isso exige dos cristãos, um aprofundamento de suas razões de fé. Uma fé que não é apenas um sentimento ou uma tradição, mas sim adesão da inteligência e do coração, e encontra fundamento e apoio na razão” _ acrescentou.

Como principais sinais do “deserto da sociedade em que vivemos”, o Cardeal Policarpo apontou o naturalismo, o racionalismo, o individualismo e a permissividade. “Apesar de haver muitas reminiscências cristãs na sua cultura, nossa sociedade não se abre facilmente à verdade do Evangelho, e tem tendência a isolar a fé cristã da racionalidade humana, relegando-a ao campo da subjetividade individual” _ explicou.

Por isso, apontou o patriarca de Lisboa, “é preciso mostrar que há razões para acreditar, que a fé não violenta a razão e que esta, no seu dinamismo profundo, é uma abertura a Deus e à sua Palavra”.

Fonte: Rádio Vaticano