O premier italiano Romano Prodi desencadeou uma forte polêmica no país após se lamentar porque a poderosa Igreja Católica não cumpre com seu papel na luta contra a evasão fiscal, citando São Paulo ao denunciar este fenômeno muito difundido na Itália.

“A obediência às leis é a condição para a existência de qualquer convivência civil. Se recordo bem, São Paulo também defendeu a obediência às autoridades. Acredito que ele utilizou a expressão em latim ‘quoque discoli’, para dizer que é necessário obedecer as regras do Estado, incluindo aquelas que são ditadas por ‘desonestos'”, escreveu Prodi em uma carta publicada hoje na primeira página do jornal Corriere della Sera.

A carta do chefe de governo foi divulgada dois dias depois da publicação de uma entrevista à revista católica Famiglia Cristiana, na qual Prodi se questionou porque “nas missas, que têm uma forte conotação ética, este tema nunca é recordado nas homilias”.

A entrevista, na qual o primeiro-ministro fez um chamado a todos para julgar seu papel, incluindo a escola e a Igreja, provocou duras reações da direita e da esquerda, em um país onde a evasão fiscal chega aos 100 bilhões de euros anuais, segundo estimativas.

Fonte: Ansa