Pastor George Alves, o enteado Kauã, de 6 anos e seu filho Joaquim, de 3 anos
Pastor George Alves, o enteado Kauã, de 6 anos e seu filho Joaquim, de 3 anos

Médicos legistas farão uma análise nos corpos dos irmãos Kauã e Joaquim para saber se eles foram agredidos ou dopados antes do incêndio, informou o delegado Danilo Bahiense, responsável pela Superintendência de Polícia Técnico-Cientifica.

De acordo com o delegado, a polícia está trabalhando sem pressa para fazer essa necropsia, porque o trabalho é demorado e não pode ter erros.

Além da perícia, o exame de DNA, que fica pronto em nove dias, vai identificar qual corpo é de Kauã e qual corpo é de Joaquim.

Na última segunda-feira, foram colhidos os materiais genéticos dos pais das crianças, os pastores George Alves e Juliana Salles, além do comerciante Rainy Bukovsky, que é pai de Kauã. No dia seguinte, foi recolhido o material genético dos corpos das crianças.

Pastor preso

O pastor George Alves Gonçalves foi preso na manhã deste sábado (28) após o juiz Grécio Grégio emitir um mandado de prisão contra ele. George passou por exames no Serviço Médico Legal de Linhares (Norte do Espírito Santo) e logo em seguida foi encaminhado à Penitenciária Regional.

George era pai de Joaquim, de três anos e padrasto de Kauã, de seis anos. As crianças morreram carbonizadas em um incêndio na casa onde moravam em Linhares.

Segundo as autoridades, o pastor estava atrapalhando a investigação sobre o caso.

Tragédia

Os irmãos Kauã Salles Butkovsky, de 6 anos, e Joaquim Alves Salles, 3, morreram durante um incêndio, no Centro de Linhares, Norte do Estado do Espírito Santo, por volta das 2 horas da madrugada de sábado.

O fogo começou na casa da família, dentro do quarto onde as crianças dormiam, com o ar-condicionado e a babá eletrônica ligados. Dentro da casa também estava George Alves, que é pastor da Igreja Vida e Paz. Ele é pai de Joaquim e padrasto de Kauã.

O Corpo de Bombeiros foi acionado, mas o quarto já estava tomado pelo fogo. Quando a equipe conseguiu conter as chamas, percebeu que os dois meninos já estavam sem vida.

George contou que, na tentativa de salvar as crianças, ele teve queimaduras nos pés e cílios. A mãe dos meninos, a também pastora Juliana Alves, viajava com o outro filho do casal para um congresso em Teófilo Otoni, em Minas Gerais.

No mesmo dia da morte dos meninos, o casal esteve na Igreja Batista Vida e Paz, de Linhares, e recebeu o carinho dos amigos. Com os pés enfaixados, o pastor disse para os membros da congregação: “Deus vai restaurar os nossos corações. Deus vai restaurar os nossos corações”.

Culpado

O comerciante Rainy Butkobsky, pai de um dos meninos mortos no incêndio em Linhares, Espírito Santo, afirma não ter dúvidas de que o pastor Georgeval Alves é o responsável pela tragédia que aconteceu no último dia 21.

“Espero que confesse logo que foi ele quem matou para que eu possa dar um enterro digno para meu filho”, declarou Rainy, que era pai Kauã.

Ele disse que tinha um relacionamento normal com o pastor e que seu filho nunca fez uma reclamação sobre Georgeval. O comerciante também revelou que logo no início das investigações chegou a suspeitar de que George era culpado, mas não podia apontar ou julgar.

“Eu sabia que tinha algo estranho”, disse Rainy em entrevista exclusiva ao site Gazeta Online.

Georgeval era padastro de Kauã, e pai de Joaquim. O pastor é casado com Juliana Salles, ex-mulher de Rainy, ela não desconfia do atual marido, mas informou aguardar o resultado da investigação da polícia.

Fonte: Gazeta online e Pleno News