Bispo licenciado da Igreja Universal do Reino de Deus, o candidato à Prefeitura do Rio de Janeiro Marcelo Crivella (PRB) tem vantagem esmagadora sobre seu concorrente Marcelo Freixo (PSOL) entre os eleitores evangélicos, aponta a pesquisa Datafolha divulgada na última sexta-feira (14).

[img align=left width=300]http://imguol.com/c/noticias/96/2016/10/07/7out2016—os-candidatos-a-prefeitura-do-rio-de-janeiro-marcelo-crivella-prb-a-esq-e-marcelo-freixo-psol-participam-de-debate-do-segundo-turno-na-sede-da-tv-bandeirantes-na-zona-sul-do-rio-de-1475891925356_615x300.jpg[/img]De acordo com o levantamento, Crivella tem 78% dos votos –contra apenas 8% de Freixo– entre os eleitores evangélicos pentecostais. Já entre os evangélicos não pentecostais, a vantagem cai um pouco, mas ainda é muito alta: 72% a 9%.

Sobrinho de Edir Macedo, fundador e líder espiritual da Igreja Universal (a principal igreja neopentecostal brasileira), Crivella tem seu eleitorado historicamente associado à população evangélica do Rio.

Entre os católicos, o candidato do PRB também vence Freixo, porém com uma vantagem mais estreita: 37% a 30%.

[b]Freixo lidera entre os espíritas kardecistas e espiritualistas
[/b]
A porcentagem de eleitores que declaram voto em Freixo passa a ser maior entre aquelas que declaram não possuir nenhuma religião e entre os que se declaram espíritas kardecistas ou espiritualistas.

No primeiro grupo, o candidato do PSOL empata com o bispo licenciado em 37%, em um recorte que traz, também, 21% declarando votar nulo ou branco.

Já entre eleitores que se declaram espíritas kardecistas ou espiritualistas, o candidato socialista novamente alcança os 37%, porém, desta vez à frente de Crivella, que obtém 24%. Entre este grupo de eleitores, porém, há um alto número daqueles que pretendem votar nulo: 32%.

O espiritualismo é uma denominação comum a diversas doutrinas filosófica e religiosas que tem como fundamento a existência do espírito como elemento primordial da realidade, contrapondo-se ao materialismo, que só admite a existência da matéria.

[b]Religião na eleição carioca
[/b]
Crivella tem buscado em sua campanha desconstruir a imagem de “candidato da igreja”. Durante as andanças pelas ruas do Rio e em encontros privados, procurou aparecer ao lado de lideranças religiosas como o arcebispo do Rio, cardeal dom Orani, bem como de kardecistas, espíritas, umbandistas e candomblecistas.

No último domingo (16), o tema religião voltou ao centro do debate após reportagem publicada pelo jornal “O Globo” que trouxe trechos de um livro escrito por Crivella nos anos 1990, durante o período em que atuou como missionário na África. Na publicação, entre outros trechos polêmicos, ele diz que a Igreja Católica e outras religiões cristãs “pregam doutrinas demoníacas”.

Após a publicação da reportagem, Crivella, em nota, pediu “perdão” pela ofensa a católicos, espíritas, evangélicos e homossexuais, afirmando ser “imaturo” à época.

Crivella tem votos dos pobres, e Freixo, dos diplomados
Considerando o total de intenção de votos da pesquisa Datafolha do último dia 14 de outubro, Marcelo Crivella tem 48% dos votos, contra 25% de Marcelo Freixo.

O levantamento mostra que a porcentagem do candidato do PRB é ainda maior entre homens (53%), eleitores com idade entre 35 e 44 anos (52%), com apenas o ensino fundamental (57%) e com renda familiar mensal de até dois salários mínimos (52%).

Freixo, por sua vez, obtém suas melhores intenções de voto entre os jovens de 16 a 24 anos (38%), eleitores com ensino superior (37%) e renda familiar mensal de 5 a 10 salários mínimos (30%). Entre homens e mulheres, o índice é o mesmo: 25%.

[b]Fonte: UOL[/b]