A Arquidiocese de Vitória quer resgatar os católicos que largaram a religião. Para isso, vai realizar durante dois anos o Sínodo Arquidiocesano. A assembléia de sacerdotes terá início no próximo dia oito e vai discutir conceitos e valores católicos aplicados pela Igreja.

O primeiro passo para a elaboração do Sínodo Arquidiocesano foi a realização de uma pesquisa quantitativa na região da Arquidiocese de Vitória. A pesquisa foi realizada entre maio e junho deste ano em 15 municípios da Grande Vitória, região serrana e litoral sul. Foram ouvidas 1.300 pessoas. De acordo com os dados, 57% dos entrevistados se dizem católicos, seguidos pelos evangélicos com 29,4%.

Entre os motivos que mais afastam os católicos da religião estão a falta de comprometimento, seguido do desinteresse. Quem mais influenciou para a troca de religiões foram os familiares, amigos e namorados.

Ainda de acordo com os dados, mais da metade dos entrevistados (52,8%) frequetam a religião por tradição familiar, enquanto que 33% são por vontade própria. Além disso, a pesquisa comprovou que a única atividade da Igreja que a participação dos católicos é maior do que a dos evangélicos são as Romarias.

Para o arcebispo de Vitória, Dom Luiz Macilha, a pesquisa foi uma ferramenta importante já que mostrou a necessidade de mudanças e reflexão para se reconquistar o cristão católico.

” O Sínodo significa caminhar juntos. É uma proposta de unidade, de um caminhar para o futuro com propostas e linguagens novas, de acordo com o nosso povo, para que eles possam compreender a notícia que nós estamos dando há dois mil anos, que a pessoas de Jesus Cristo”, disse.

Os temas que serão discutidos no Sínodo Arquidiocesano foram elaborados de acordo com o resultado da pesquisa. Serão abordados pontos como família, cidadania, acolhida da Igreja e desenvolvimento sustentável.

Fonte: Gazeta Online