O rosto de Deus, segundo pesquisa com mais de 500 cristãos nos EUA
O rosto de Deus, segundo pesquisa com mais de 500 cristãos nos EUA

Pesquisadores da Universidade da Carolina do Norte (UNC) em Chapel Hill, pediram a mais de 500 cristãos americanos para falar sobre suas percepções em relação a aparência de Deus para construir uma face que reflita como os participantes do estudo imaginam que Deus se parece.

O estudo sugere que muitos cristãos americanos percebem Deus como uma divindade mais jovem, mais feminina, com menos características brancas, em contraste com as ilustrações mais comuns que retratam Deus como um velho, macho, de barba branca.

Uma equipe de psicólogos criou a imagem composta com base nas respostas de 511 cristãos americanos.

Aos participantes do estudo foram mostrados centenas de pares aleatoriamente variados de rostos, e foram convidados a escolher qual rosto de cada par parecia mais com o “rosto de Deus”. Os pesquisadores criaram uma face composta combinando todas as faces selecionadas.

A pesquisa indicou que os preconceitos das pessoas são um fator que contribui para a forma como eles imaginam a aparência de Deus.

Os liberais tendem a acreditar que Deus é mais feminino, mais jovem e mais amoroso, enquanto os conservadores acreditam em um Deus mais poderoso com características brancas.

“Esses preconceitos podem ter se originado do tipo de sociedades que liberais e conservadores querem”, disse Joshua Conrad Jackson, o principal autor do estudo, de acordo com um comunicado publicado no site da UNC Chapel Hill .

Pesquisas anteriores mostram que os conservadores são mais motivados do que os liberais a viver em uma sociedade bem ordenada, que seria melhor regulada por um Deus poderoso. Por outro lado, os liberais estão mais motivados a viver em uma sociedade tolerante, que seria melhor regulada por um Deus amoroso ”, acrescentou.

Os pesquisadores também descobriram que as percepções das pessoas sobre Deus são influenciadas pela demografia. Os americanos brancos são mais propensos a imaginar Deus como um ser branco, enquanto os afro-americanos tendem a imaginar Deus como negro.

As pessoas mais jovens estão mais inclinadas a imaginar Deus com uma aparência mais jovem, enquanto as pessoas fisicamente atraentes tendem a acreditar em um Deus fisicamente mais atraente.

“A tendência das pessoas a acreditar em um Deus que se parece com elas é consistente com um viés egocêntrico”, disse o professor Kurt Gray, autor sênior do estudo, segundo o comunicado de imprensa .

“As pessoas geralmente projetam suas crenças e traços sobre os outros, e nosso estudo mostra que a aparência de Deus não é diferente – as pessoas acreditam em um Deus que não apenas pensa como elas, mas também se parece com elas”, acrescentou.

No entanto, Gray observou que os participantes não manifestaram nenhum preconceito quando se tratava de gênero. Ele observou que homens e mulheres tendiam a imaginar um Deus com traços masculinos.

O estudo, publicado na revista PLOS ONE , foi financiado pela Fundação Templeton e pela National Science Foundation.

Fonte: The Christian Times