Violência contra crianças e adolescentes
Violência contra crianças e adolescentes

“Não se deixe enganar pelo jargão científico. A ideologia do transgênero é exatamente isso: uma ideologia. E ela está ameaçando vidas”. É assim que o pesquisador e colunista John Stonestreet inicia seu artigo publicado no site Break Point, chamado “Sacrificando Crianças para a Ideologia Trans”. O texto foi construído juntamente com G. Shane Morris.

“O que você faz, como cristão, quando alguém cita um ‘estudo científico’, alegando que as crianças transgêneros ficam bem com a terapia hormonal e a cirurgia de mudança de sexo? Bem, você precisa fazer perguntas”, diz no artigo.

“Essa é certamente a estratégia certa para um novo estudo comissionado pelos Institutos Nacionais de Saúde. Escrevendo no Discurso Público, Jane Robbins e Erin Tuttle prevêem que este estudo, uma vez completado, se tornará a evidência para os apoiantes da chamada ‘terapia de afirmação’. Em outras palavras, ele será usado para suportar quimicamente e cirurgicamente, alterando os corpos de crianças em desenvolvimento, para torná-las parecidas com os do sexo oposto”, afirma.

“A metodologia do estudo, os autores e o propósito declarado deixam claro que é elaborado para produzir uma conclusão predeterminada: que a terapia de afirmação transgênero é segura e eficaz para jovens disfóricos. Os autores do estudo admitem isso, escrevendo em seu resumo que o objetivo é ‘usar hormônios sexuais cruzados para induzir o desenvolvimento de características sexuais secundárias desejadas que aproximem o corpo do senso interno de gênero da juventude’”, explica o autor.

Sem avaliação

“Observe que a adequação de alterar o corpo de uma criança para se harmonizar com o gênero preferido é assumido e não é avaliado. E essa suposição é destrutiva, podendo ser às vezes mortal. Sejamos claros sobre o que a ‘terapia de afirmação’ realmente significa: as crianças recebem altas doses de drogas de supressão da puberdade”, alerta.

“Médicos inundam seus sistemas com testosterona ou estrogênio para induzir a formação de características do sexo oposto, como seios nos meninos e pelos faciais das meninas. Alguns pacientes, no meio deste processo, são submetidos a cirurgia de reatribuição do sexo, na qual seus órgãos genéricos internos e externos são removidos ou remodelados”, diz.

“Este ‘tratamento’ os tornará inférteis e podem criar uma série de efeitos colaterais, como câncer, infecções, doenças da vesícula biliar e picos de pressão arterial. Também não há pesquisas de longo prazo sobre como essas altas doses de hormônios afetam os corpos que não foram projetados para lidar com isso”.

Traumas

“Há, no entanto, dados abundantes sobre o dano psicológico dessa ‘transição’ médica. Um estudo da Grã-Bretanha descobriu que 20% dos pacientes que passaram por este procedimento lamentaram. Walt Heyer, um homem que anteriormente vivia como uma mulher transgênero e agora se identifica com seu sexo biológico mais uma vez, pensa que é uma grave subestimação. Ele cita pesquisas mostrando que 41% dos pacientes pós-operatórios tentam suicídio, 90% tem uma “forma significativa de psicopatologia” e a metade tem sintomas depressivos”, ressalta.

“Os ativistas transexuais acreditam que os sentimentos definem as pessoas. E se nossos sentimentos estão fora de sincronia com nossos corpos, então nossos corpos devem mudar – através de qualquer meio químico ou cirúrgico necessário. Mas, começando com essa conclusão e depois elaborando um estudo para provar que não é ciência. Na verdade, é mais como uma seita que exige sacrifícios infantis”, finalizou.

Fonte: Guia-me com informações de Christian Post