Um pastor evangélico confessou à Polícia que havia criado um perfil falso no Facebook para assediar garotas que eram atendidas em um projeto social do qual ele participava.

O caso, registrado na cidade de Ponta Grossa (PR), vinha sendo investigado desde 2014 em segredo de Justiça.

A operação que apreendeu computadores e um celular em uma igreja evangélica da cidade foi chamada pela Polícia Civil de “Servir e Proteger”. O delegado responsável pelo caso, Marcus Sebastião, titular do 2º Distrito, afirmou que o pastor confessou o crime logo que os investigadores passaram a apreender os equipamentos.

“Fomos até o local cumprir um mandado de busca e apreensão. Chegamos até o pastor depois de uma investigação especializada da Polícia Civil. Ele admitiu o crime e alegou ter um distúrbio”, afirmou o delegado.

Ao longo da investigação, a Polícia apurou que através do perfil falso, o pastor enviava vídeos pornográficos para as adolescentes: “Ele [o pastor] admitiu a conduta assim que começamos a recolher os computadores. Ele foi interrogado ontem [terça-feira, 15 de dezembro] logo depois que terminamos a busca na igreja”, revelou Sebastião.

O que chamou a atenção da Polícia foi o fato de que o pastor iniciava as conversas de diversos locais diferentes. A Justiça concedeu mandados de busca e apreensão de equipamentos, como computadores e celulares, em três endereços, segundo informações do site A Rede.

Esse comportamento do pastor obrigou a Polícia Civil a fazer várias “quebras” de endereços de IP (Internet Protocol) para chegar ao autor das mensagens: “Ele mantinha conversas no Facebook com essa menina e enviou vídeos pornográficos para a adolescente. Agora vamos continuar as investigações para apurar a existência de outras vítimas”, concluiu.

Fonte: Gospel[b] Mais[/b]