A polícia da Bolívia desmentiu nesta segunda-feira, as denúncias de um presumível tráfico, venda e aluguel de crianças bolivianas na fronteira com o Peru, depois de uma investigação realizada no fim de semana, na região.

As denúncias haviam sido feitas pela Pastoral da Mobilidade Humana da Igreja boliviana.

O diretor da Divisão de Luta ao Tráfico de Pessoas, da polícia de La Paz, major Adolfo Cárdenas, disse à imprensa que um grupo de agentes não conseguiu comprovar as denúncias da Pastoral da Igreja.

“Tratou-se, simplesmente, de um boato” _ disse o major. Ele acrescentou que a pessoa que informou a Pastoral não pôde ser encontrada, para ratificar as denúncias, o que impossibilita iniciar uma investigação.

Houve também denúncias de que esse mesmo tipo de tráfico de crianças estaria sendo feito na fronteira entre Bolívia e Brasil e Bolívia e Argentina.

Uma fonte da Igreja Católica denunciou, na semana passada, que camponeses e índios bolivianos estão alugando ou vendendo seus filhos por poucos dólares, para que sejam explorados em cidades do país ou em nações vizinhas.

Todavia, a venda ou aluguel de crianças não é crime segundo a legislação boliviana.

Fonte: Rádio Vaticano