A polícia di Equador instaurou um inquérito, para apurar quem são os responsáveis por um furto ocorrido na madrugada de quarta para quinta-feira, numa igreja da localidade de Pifo, nas proximidades da capital do país, Quito.

O furto ocorreu 15 dias após um fato similar, na localidade de Riobamba, onde desconhecidos furtaram uma valiosa custódia.

Da igreja de Pifo _ segundo informações policiais _ foram levados objetos de grande valor artístico, entre os quais, imagens de Nossa Senhora do Rosário e de Maria Madalena, feitas em cerâmica, de 50 cm de altura. Além dessas, foi furtada também uma imagem de Cristo, em madeira, assim como um equipamento de amplificação.

O decano da paróquia de El Quinche, Pe. José Conde, disse ao canal de televisão “Teleamazonas” que acredita que as igrejas estejam sendo vítimas de uma rede internacional de ladrões de obras de arte, referindo-se inclusive, ao desaparecimento da valiosa custódia, em Riobamba, furto sobre o qual a polícia não tem nenhuma pista.

A custódia _ de um metro de altura e pouco mais de 36 kg _ data de 1705, e foi feita, em sua maior parte, de ouro maciço, sobre um pedestal de prata. Ornada com 3.500 pedras preciosas, entre as quais se contam cerca de 400 esmeraldas, brilhantes, diamantes, rubis, ametistas, águas-marinhas, safiras e topázios, a peça se encontrava exposta no Museu de Arte Sacra, do Convento das Franciscanas.

Fonte: Rádio Vaticano