A 9ª Subdivisão Policial de Maringá prendeu, na tarde desta sexta-feira (26), o homem acusado de ter matado a menina Márcia Constantino, de 10 anos. A garota brincava no pátio de uma igreja evangélica no centro de Maringá, enquanto seus pais assistiam a um culto, quando desapareceu.

N.B, 41, foi preso suspeito de estupro, atentado violento ao pudor, homicídio qualificado e ocultação de cadáver. A 2ª Vara Criminal de Maringá decretou sua prisão temporária e a Subdivisão cumpriu o mandado nesta tarde.

Ele faz parte da comunidade da Igreja Evangélica e estava no culto de sábado. Segundo informações preliminares, o suspeito é solteiro e trabalha com promotor de vendas.Em 2001, ele já foi condenado a 12 anos de prisão, por atentado violento ao pudor e estupro. Ele cometeu o crime em Presidente Castelo Branco. A vítima, uma menina de 15 anos, foi violentada (sexo anal) e estuprada. Cumpriu a pena de cinco anos e foi solto.

“Investigamos este caso a semana toda e levantamos as fichas de prováveis suspeitos. Como verificamos que ele já tem antecedentes por estupro e atentado violento ao pudor e estava em livramento condicional desde 2006. Foi chamado para depor no domingo e nesta quinta-feira (25) voltou, acompanhado de seu advogado. O que ele falou não convenceu a polícia e achamos que seria imprescindível para a conclusão das investigações sua prisão temporária”, contou o delegado-chefe da Subdivisão de Maringá, Antonio Brandão Neto.

N.B foi preso na Zona 4 e a casa dele fica no Jardim Real. Além do mandado de prisão temporária, a polícia cumpriu também dois mandados de busca e apreensão, um casa de Búfalo, outro na casa onde ele estava escondido. “Fomos acompanhados por duas equipes do Instituto de Criminalística. Na casa onde ele estava escondido, não foi achado nada, mas em sua própria residência, os peritos encontraram evidências como fios de cabelo comprido – a menina tinha cabelos compridos -, fragmentos de palha de milho, calçado com terra e uma pulseirinha de criança dourada queimada”, contou o delegado.

Na segunda o Instituto de Criminalística de Curitiba fornecerá o resultado do exame de DNA que está sendo feito para comparar o esperma que foi encontrado na cavidade retal da vítima com, a coleta de sangue do suspeito. O preso foi conduzido ao iml para fazer exames de lesões corporais.

O caso — Márcia Constantino, de dez anos, foi encontrada morta na manhã do último domingo (21), em uma estrada rural, em uma plantação de milho, na saída de Maringá para Astorga. Segundo Brandão, a garota teria sido espancada, sofrido violência sexual, além de queimaduras de segundo e terceiro grau, “No exame do IML que pedimos, constatou-se fratura de coluna cervical”.

Márcia havia desaparecido na noite de sábado (20), durante um culto na igreja evangélica Assembléia de Deus, no centro da cidade. Enquanto os pais assistiam ao culto, Márcia brincava no pátio da igreja com outras crianças. A família percebeu a ausência da menina por volta das dez horas da noite. Os pais registraram ocorrência em seguida, na 9ª Subdivisão Policial de Maringá.

No final da tarde de domingo (21), a polícia já havia prendido um homem de 34 anos, suspeito de participar da morte de Márcia. Após uma denúncia anônima de uma testemunha, a polícia conseguiu identificar P.S.M, 34 anos. Segundo a testemunha, ele teria levado a menina em um veículo Ford Fiesta cor prata.

No momento da prisão, na casa do acusado, no bairro Santa Felicidade, a polícia encontrou cerca de 200 gramas de cocaína e o Ford Fiesta. Ele foi autuado em flagrante por tráfico de drogas e por isto permanece na 9ª Subdivisão. “Ele foi encaminhado para que fosse feita perícia em seu órgão genital, para verificar se havia a existência de microfissuras, que comprovassem se houve ou não relação sexual com a criança, porém, não foram constatadas fissuras ou ferimentos e a participação dele está praticamente descartada”, disse o delegado.

Fonte: Bem Paraná