Ex-muçulmanos sofrem com a desconfiança que paira na sociedade, causada pela polícia secreta. Eles têm medo de contar sua história às pessoas, mesmo aos amigos. Se, por um lado, o governo sírio está aberto ao cristianismo e às igrejas, por outro, possui laços com grupos fundamentalistas que são contrários aos cristãos

A guerra civil que acontece hoje na Síria, tem colocado o país em situação de intenso tumulto. Muitas instituições beneficentes e organizações não governamentais tiveram de deixar o país. Outras empresas, que têm o objetivo de entrar no território sírio para auxiliar os necessitados nesse processo de tensão, estão encontrando dificuldades para obter acesso.

Mas, apesar desse cenário, a Portas Abertas tem conseguido entregar o seu apoio aos cristãos do país por conta de uma estratégia maravilhosa de Deus. Vários anos atrás, um membro da equipe da Portas Abertas no Egito sentiu que Deus o estava chamando para iniciar um trabalho da Portas Abertas na Síria. Na época, não era um projeto óbvio: até então, a Síria ainda não tinha participado da Classificação de países por perseguição. Só o que havia, eram histórias sobre a Igreja experimentando um renascimento. E, assim, viagens foram feitas, seminários foram realizados e a Portas Abertas fez contatos e amizades entre a Igreja síria.

O resultado de tudo isso foi: quando o conflito eclodiu na Síria alguns anos mais tarde, a Portas Abertas já possuía uma infraestrutura de comunicação no país. Deus estava preparando o terreno. Com o apoio de parceiros, a organização pôde ajudar as Igrejas suprindo a necessidade da população local com alimentos, auxílio médico, cobertores e roupas de cama. Foram providenciadas casas para os refugiados; o aluguel é pago por meio de doações que a Portas Abertas recebe e encaminha para aqueles que precisam. Bíblias e livros cristãos foram distribuídos e, cursos de discipulado foram realizados.

O mal é revertido em bem
O pastor Imad* e sua esposa foram expulsos da capital da Síria, Damasco, em meio ao som de tiros e bombardeios. Eles caminharam em direção ao sul, para um lugar chamado Kharaba, perto de Suwayda. O motivo da viagem foi transformado em algo muito importante e significativo: após deixarem sua casa, eles decidiram prestar ajuda aos refugiados – auxílio fornecido graças à doação de parceiros da Portas Abertas – em forma de cobertores e Bíblias. Ele e sua esposa têm planos de distribuir cobertores para 165 famílias.

“Toda a operação foi um milagre”, disse Imad. “Cristãos e muçulmanos ficaram muito agradecidos pelos cobertores e Bíblias. Cada família recebeu um, mas alguns voltaram para pedir mais.”

Agradeça ao Senhor pela proteção e coragem dos trabalhadores da Portas Abertas e os colaboradores que prestam socorro às famílias cristãs deslocadas.

[b]Fonte: Portas Abertas Internacional[/b]