Na África, a prática religiosa é limitada muitas vezes pela simples dificuldade de se obter uma Bíblia, que pode custar como o salário de um mês. Foi o que disse o arcebispo nigeriano John Olorunfemi Onaiyekan, ilustrando um quadro da evangelização no continente africano.

Embora a Palavra de Deus seja mais viva do que nunca no continente, “muitos não dispõem de dinheiro suficiente para possuir uma Bíblia, e por isso, estamos imprimindo Bíblias a preços mais acessíveis”, explicou o arcebispo aos padres sinodais.

No ensejo, dom Onaiyekan agradeceu os irmãos protestantes, com os quais foi estabelecida uma colaboração muito frutuosa; e recordou o problema das traduções, que na África implica não apenas na tradução de uma língua para outra, mas também em divulgar a palavra escrita em um contexto de elevados índices de analfabetismo.

O arcebispo de Abuja recordou também que a África é ainda um continente de primeira evangelização, onde a presença católica está em torno de 14%. Conseqüentemente, “a Igreja tem uma missão a cumprir também fora de seu rebanho; e o diálogo deve estar aberto aos muçulmanos, com a exceção de poucas seitas fundamentalistas”.

Fonte: Rádio Vaticano