O poder do primeiro-ministro britânico na nomeação dos bispos da Igreja da Inglaterra _ Igreja Anglicana _ pode se ver reduzido, se o Parlamento aprovar uma modificação da lei, que tem o apoio de Gordon Brown.

A Igreja fundada por Enrico VIII no século XVI, que tem como chefe o soberano britânico, nasceu dependente do poder político, que controla a escolha de seus bispos. Segundo o procedimento em vigor, a “Crown Nominations Commission” _ a comissão que tem a tarefa de escolher os bispos _ submete dois nomes ao primeiro-ministro, que tem o poder de aprová-los e recomendá-los à Rainha, ou de rejeitá-los, pedindo à comissão que escolha outros dois nomes.

Segundo o projeto de lei em estudos, um único nome será submetido pela comissão ao premier, que se limitará a dar seu consenso e comunicar o nome do candidato à Rainha, a quem caberá a aprovação final.

Os bispos poderão também escolher os arciprestes das diversas catedrais, ao invés de aprovar os nomes sugeridos pelo primeiro-ministro e pelo arcebispo anglicano de Cantuária, primaz da Igreja Anglicana.

O novo procedimento é visto com favor pela Igreja Anglicana, que fala de “evolução, ao invés de revolução”: “Saúdo com satisfação, a idéia que a Igreja se torne a voz decisiva na nomeação dos bispos” _ disse o arcebispo anglicano de York, Dr. John Sentamu.

Fonte: Rádio Vaticano