O presidente da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), dom Geraldo Lyrio Rocha, rechaçou ontem -após a abertura da 46ª Assembléia Geral da entidade, em Indaiatuba (102 km de SP)- um eventual terceiro mandato do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

“Acho que devemos ficar com o que a Constituição estabelece. Qualquer outra coisa é entrar por um caminho de casuísmo que não é benéfico à democracia”, disse, ao ser questionado pela imprensa sobre as declarações do vice-presidente José Alencar (PRB-MG).

Alencar havia sugerido um terceiro mandato para Lula. Disse que os brasileiros desejam que ele “fique mais tempo”.

Dom Geraldo disse ainda, sobre as eleições municipais de outubro, que o país precisa superar o “círculo da corrupção”. “É o candidato corrompendo o eleitor, comprando o seu voto. É o eleitor corrompendo o candidato, vendendo seu voto. Nós precisamos acabar com isso.”

O religioso ainda cobrou as reformas tributária, política e agrária. “Estamos aguardando que essa reforma [agrária] possa ser mais acelerada para que haja também mais tranqüilidade no campo em nosso país.”

A 46ª Assembléia Geral começou ontem e vai acabar no dia 11. Cerca de 300 bispos participam do encontro. Durante a assembléia, a CNBB vai elaborar uma cartilha para orientar o eleitor a não votar em candidatos envolvidos em corrupção.

O bispo de Blumenau (SC), dom Angélico Sândalo Bernardino, criticou o Legislativo, ao ser questionado sobre a CPI dos Cartões e a existência de um dossiê sobre gastos na gestão do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. “Fico preocupado quando vejo o Legislativo gastando um tempo enorme com tantas discussões, que não têm levado a nada, enquanto projetos importantes ficam engavetados. Acho que isso também é corrupção”, disse.

A CNBB divulgou um documento intitulado “Análise da Conjuntura” -elaborado por padres e assessores ligados à entidade- no qual voltou a criticar o cenário político do país. Em um trecho, o texto diz que “a política, os partidos e o Poder Judiciário perderam credibilidade diante da corrupção e do corporativismo que favorecem a impunidade”.

O presidente Lula encaminhou uma carta à CNBB, lida na abertura do encontro, na qual saúda os bispos e diz que “não cabe a nenhum governo ou forma de poder tentar domesticar ou reduzir o papel das igrejas e comunidades religiosas”.

Fonte: Folha de São Paulo