O presidente paraguaio, Nicanor Duarte Frutos, enfrentou mais uma vez a Igreja Católica, um dia depois de os prelados terem expressado o mal-estar provocado pelas declarações do mandatário.

Duarte Frutos formulou todo tipo de ataques e acusações – entre elas, a de estar vinculado a seqüestradores – contra o ex-bispo Fernando Lugo, o candidato à presidência melhor avaliado em todas as pesquisas, e também aludiu a outro sacerdote processado sob acusação de malversação de fundos.

As críticas foram respondidas pelas mais altas autoridades eclesiásticas do país.

O titular da Conferência Episcopal Paraguaia, monsenhor Ignacio Gogorza, qualificou as declarações como “injustas” e afirmou que “nos sentimos ofendidos”.

Em um comício realizado hoje em San Pedro, o departamento (província) onde Lugo atuou como bispo, Duarte Frutos afirmou que a hierarquia católica “terá que escutar o que não quer escutar, porque um de seus membros, traindo as normas, meteu-se onde não deveria se meter”.

“Não se descuidem dos que usam batina e não atuam como tais”, disse o presidente, explicando que não ataca a Igreja Católica em geral, mas alguns sacerdotes especificamente.

A Conferência Episcopal anunciou que analisará este caso em uma assembléia realizada dentro de duas semanas.

Fonte: Rádio Vaticano