A Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) negou nesta quinta (22) que presos dos 32 Centros de Detenção Provisória (CDPs) de São Paulo estariam preparando uma fuga simultânea no Estado.

A informação circulou com base em declarações de agentes penitenciários para imprensa, feitas, porém, sob condição de sigilo.

As informações não dizem quais facções estariam envolvidas na organização da fuga.

Em nota oficial, a SAP informou que “não existe nenhuma informação sobre esse assunto” e que “as unidades prisionais operam dentro dos padrões de segurança e disciplina.”

O secretário-geral do Sindicado dos Funcionários do Sistema Prisional do Estado de São Paulo (Sifuspesp), João Alfredo, considerou a informação apenas como um “boato”, mas decidiu preparar um relatório para encaminhar ao governo estadual. O texto deve apresentar um alerta a respeito das condições de trabalho dos funcionários e a situação em que os CDPs se encontram.

Na semana passada, agentes penitenciários teriam ouvido conversas de detentos sobre a fuga, que aconteceria até o fim do ano. Ela seria um suposto “protesto” contra a superlotação. Os presos teriam se inspirado em uma passagem da Bíblia: “Para dizeres aos presos: saí e aos que estão em trevas: aparecei” (Isaías 49, 9).

Segundo as informações, haveria celas para 12 presos abrigando no mínimo 50. Há casos de transmissão de doenças infecto-contagiosas, entre elas tuberculose.

Em Guarulhos, existem dois Centros, na Cidade Satélite de Cumbica. Cada um deles, segundo a SAP, comporta 789 presos. A secretaria não divulgou o número atual de detentos nas unidades.

Fonte: O Verbo