Em Cuba, pela primeira vez nos últimos 55 anos, foi autorizada a construção de um templo católico.

Segundo a edição Christian Life da Igreja Católica local, ele será edificado na cidade de Sandino, província de Pinar del Río, com meios dos paroquianos da Igreja de São Lourenço da cidade americana de Tampa.

A área do templo será de 800 m² e poderá receber até 200 pessoas.

Antes da revolução de 1959, a Igreja desempenhava um importante papel na vida do Estado, mas, depois, as suas relações com as novas autoridades tornaram-se tensas, principalmente depois da Igreja ter sido a iniciadora da tristemente célebre operação “Peter Pan”, quando, nos anos 60, foram levados do país, com a autorização dos pais, milhares de crianças cubanas sob o pretexto de que os revolucionários poderiam privá-los dos pais.

No início dos anos 90 do século passado, o governo cubano propôs à Igreja começar o diálogo. A ilha foi visitada por dois Papas de Roma: João Paulo II em 1998 e Bento XVI em 2012. Mas os representantes da Igreja continuam a queixar-se da falta de acesso real aos meios de comunicação social, de possibilidade de dar educação religiosa e de se dedicar à beneficência.

[b]Fonte: Voz da Rússia[/b]