O fundador da Igreja Renascer em Cristo, Estevam Hernandes (foto), comparou os dias que ficou preso em Miami, nos Estados Unidos, ao “inferno”. Para Estevam, o período no Federal Detention Center e no Krome Detentio Center foi um “pesadelo”.

Acompanhado da mulher, Sônia Hernandes, ele conduziu um culto ao vivo de um templo da Renascer no estado americano da Flórida, transmitido para mais de 10 mil fiéis no Ginásio do Ibirapuera, na Zona Sul de São Paulo.

O casal Hernandes foi preso no dia 9 de janeiro no aeroporto de Miami, quando tentava entrar nos Estados Unidos com US$ 56,5 mil. Inicialmente, ficaram detidos no Federal Detention Center de Miami. Depois, Estevam foi transferido para o Krome Detention Center, e Sônia, para a prisão feminina de West Palm Beach. O casal responde a processo por contrabando de dinheiro e depoimento falso à polícia. Entre os dias 18 e 19, os Hernandes pagaram parte do valor da fiança – de US$ 100 mil -, cerca de US$ 5 mil, e obtiveram a liberdade assistida.

“A gente acorda no verdadeiro inferno. É para nós entendermos que somos participantes do sofrimento de Jesus Cristo”, disse Estevam durante o culto de cinco horas transmitido ao vivo de Miami. Em outra ocasião, ele disse que perguntava a Jesus quando ia acordar “deste pesadelo”.

Estevam, conhecido como apóstolo pelos fiéis da Renascer, relacionou a prisão à perseguição e ao inimigo. “Nós estamos vivendo aquilo que nunca se viveu na história da igreja evangélica”, afirmou. Ele disse que não podia contar aos seguidores detalhes do que passou na prisão, mas prometeu escrever um livro sobre os dias de detenção nos Estados Unidos.

Nas prisões dos EUA, segundo Estevam, o casal teria até conseguido converter detentos. “Na prisão onde a bispa estava (presídio de West Palm Beach), 29 pessoas aceitaram a fé da Renascer. Na minha, 15 pessoas acabaram aceitando”, disse.

Nem o jogador do Milan, da Itália, foi esquecido durante o culto. Estevam deu Kaká, seguidor da Igreja Renascer, como exemplo de abençoado. “Dizem para mim que o Kaká é fogo. É porque dentro dele tem o fogo dos céus”, afirmou. O jogador divulgou recentemente uma nota em que negava ter feito jejum pelos líderes da igreja.

Filhos aqui e lá

A celebração na capital paulista começou às 10h deste sábado, sob comando de Felippe Daniel Hernandes, filho mais velho dos líderes da Renascer. Conhecido como “Bispo Tid”, ele iniciou a cerimônia fazendo uma referência à prisão dos pais. “Seguramente, ninguém foi mais perseguido no Brasil do que os meus pais”, disse.

Em Miami, Sônia e Estevam estavam acompanhados de outros dois filhos, Fernanda e Gabriel Hernandes. Fernanda teria sido funcionária fantasma da Assembléia Legislativa de São Paulo entre fevereiro de 2005 e setembro de 2006. Ela receberia salário-base de R$ 5.754,78 por um cargo no gabinete do deputado estadual Geraldo Tenunta (PFL), conhecido como “Bispo Ge”.

Abraçado aos filhos nos Estados Unidos, Estevam dizia que todos os fiéis da igreja eram como filhos e deu um conselho a eles. “Sempre tentaram impedir nossa caminhada. Mas eu não quero de vocês nenhum sentimento de ódio”, disse.

Lágrimas e agradecimentos

O culto parecia desanimado até a imagem de Sônia Hernandes (foto ao lado) aparecer por volta das 11h nos quatro telões suspensos no Ginásio do Ibirapuera com um terno preto e blusa branca.

“Estamos muito gratos pelas orações, pelas vigílias, pelos jejuns”, disse Sônia, arrancando aplausos e lágrimas dos milhares de seguidores da igreja. A câmera mostrava também o marido de Sônia, que chorava ao lado da filha Fernanda.

Os fiéis vieram de Belo Horizonte, Campinas e diversas cidades do interior de São Paulo para acompanhar o primeiro culto conduzido pelos fundadores desde a prisão. “Quando saí de casa hoje parecia que era a primeira vez que ia pregar na minha vida”, disse Estevam Hernandes.

Na platéia, dezenas de faixas de apoio aos líderes da igreja. “Apóstolo e Bispa, com vocês para a vida ou para a morte. Renascer até morrer”, dizia uma delas. Uma outra fazia uma paródia de uma conhecida música infantil: “Se um apóstolo Estevão incomoda muita gente, um povo debaixo da mesma unção incomoda muito mais.”

No final do culto, mais descontraído, o fundador da igreja brincou que iria arrumar um tatuador para escrever no braço a frase “Renascer até morrer”. Ao som de um samba, a bispa arriscava alguns passos.

Fonte: Gazeta Online