No parecer, procurador-geral da República, diz que o recurso apresentado por Rodrigues contra sua condenação pelos crimes de lavagem de dinheiro e corrupção passiva, não é cabível

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou parecer ao STF (Supremo Tribunal Federal), pedindo a prisão imediata do ex-deputado Carlos Rodrigues (então no PL-RJ, hoje no PR), conhecido como Bispo Rodrigues, condenado a 6 anos e 3 meses de prisão no processo do mensalão.

No parecer, Janot diz que o recurso apresentado por Rodrigues contra sua condenação pelos crimes de lavagem de dinheiro e corrupção passiva, conhecido como embargos infringentes, não é cabível, uma vez que na primeira fase do julgamento ele não obteve o mínimo de quatro votos para sua absolvição.

Com o parecer, o presidente do STF, Joaquim Barbosa, poderá negar o seguimento ao recurso de Rodrigues e expedir o mandado de prisão contra o ex-deputado. Ele também pode levar o assunto para deliberação do plenário.

Com a manifestação relativa a Rodrigues são três os condenados que já tiveram seus recursos rejeitados por Janot. Os outros dois foram os do ex-vice-presidente do Banco Rural Vinícius Samarane e o do ex-deputado Pedro Corrêa.

Assim como no caso de Rodrigues, Barbosa pode decidir sobre a prisão de Samarane e de Corrêa a qualquer momento ou levar os recursos para o plenário.

Com exceção do delator do esquema, Roberto Jefferson, que passará por uma perícia médica para que Barbosa defina se, devido ao tratamento de um câncer, ele cumprirá pena no presídio ou em prisão domiciliar.

Ainda estão na PRG (Procuradoria-Geral da República) para manifestação os recursos dos deputados Valdemar Costa Neto (PR-SP) e Pedro Henry (PP-MT), e de Rogério Tolentino, ex-advogado de Marcos Valério.

[b]Fonte: Folha de São Paulo[/b]