Os produtores do programa “Os Simpsons” contradisseram a declaração do jornal do Vaticano de que a família seria católica, informa a rede britânica BBC.

Al Jean, produtor-executivo do programa de TV, disse que o casal só considerou se converter em um episódio exibido em 2005.

O jornal do Vaticano, “L’Osservatore Romano”, afirmou esta semana que o seriado animado explora assuntos como família, comunidade, educação e religião como poucos outros programas conseguem, mesmo que Homer, o protagonista, “durma durante os sermões” em igrejas.

No entanto, o fato de a família “recitar orações antes das refeições e, de sua própria maneira, acreditar numa vida posterior”.

O jornal ouviu um padre jesuíta, Francesco Occhetta, que fez uma análise de um episódio de 2005 dos Simpsons, chamado “O pai, o filho, e a Estrela Santa Convidada”, que falava sobre catolicismo e foi ao ar semanas depois da morte do papa João Paulo 2º.

Durante o episódio Bart é expulso da escola e é matriculado numa nova escola, católica, onde conhece um padre muito simpático. Homer converte-se ao catolicismo. Mais tarde, o episódio trata de temas como homossexualidade, pesquisas com células-tronco, conflitos religiosos e diálogo entre religiões.

“Poucas pessoas sabem, e ele faz de tudo para esconder isso, mas é verdade: Homer Simpson é um católico”, diz o jornal do Vaticano.

[b]Fonte: Folha Online
[/b]