O promotor anti-seqüestros do Paraguai, Rogelio Ortúzar, denunciou ontem que o bispo Fernando Lugo, possível candidato presidencial em 2008, mantém conexões com o grupo criminal que seqüestrou Cecilia Cubas, mas negou que o bispo tenha participado do crime.

Cecilia Cubas, filha do ex-presidente Raúl Cubas, foi seqüestrada em setembro de 2004 e seu cadáver apareceu seis meses depois.

Estão presos pelo crime o dirigente do partido de esquerda Pátria Livre, Omar Martínez, e outros membros do mesmo grupo.

Ortúzar negou ter afirmado que Lugo esteja envolvido no seqüestro. “Apenas disse que Fernando Lugo tem certas ligações com o grupo de Omar Martínez.”

O promotor esclareceu também que Lugo, um bispo identificado com a luta dos sem-terras, não é investigado pelo seqüestro e assassinato de Cecilia Cubas.

Lugo ainda não decidiu se aceitará ou não a candidatura presidencial por uma coalizão de partidos e movimentos sociais de oposição, denominada “Resistência Cidadã”, e anunciou que no fim do ano tomará uma decisão a respeito do tema.

“Resistência Cidadã” qualificou de “irresponsáveis” as afirmações do promotor.

Fonte: ANSA