O proprietário de uma livraria em Beijing (Pequim) foi preso novamente por publicar Bíblias e literatura cristã após ter sido liberado em janeiro devido a “evidências insuficientes”.

Shi Weihan, 37 anos, pai de dois filhos, foi preso no dia 19 de março. Visitas familiares não têm sido permitidas, de acordo com sua esposa Zhang Jing. A primeira prisão dele ocorreu de 28 de novembro de 2007 a 4 de janeiro de 2008 ( relembre o caso).

Sua esposa disse não ter recebido qualquer informação sobre a condição de seu marido e contou ter sido proibida de lhe levar qualquer comida ou troca de roupa desde que ele foi preso.

Zhang disse estar “muito preocupada” com a saúde de Shi Weihan porque ele tem diabetes.

Dono de uma livraria localizada perto da Vila Olímpica, Shi nunca havia tido qualquer problema com as autoridades até sua prisão em novembro passado, de acordo com um velho amigo.

Sua livraria operava legalmente, e vendia apenas livros com permissão do governo. Pela empresa, a Sociedade Comercial Santo Espírito, Shi imprimiu Bíblias e literatura cristã sem autorização para distribuir às igrejas domiciliares locais, de acordo com a “Asia Times Online”.

Em janeiro, Zhang disse à “Asia Times Online” que Shi estava preocupado por publicar os livros não autorizados, mas por causa da forte necessidade das igrejas ele sentiu que valia a pena correr o risco.

Carência de Bíblias

Pastores de igrejas domiciliares e das congregações oficialmente autorizadas pelo governo chinês, que fazem parte do Movimento das Três Autonomias (TSPM, sigla em inglês), noticiaram ao Compass uma carência de Bíblias e de outros materiais cristãos na capital, Beijing, e no nordeste, noroeste e sudeste do país.

Igrejas que se desenvolveram em áreas tribais têm também despertado para uma necessidade urgente de Bíblias de estudo e em outras linguagens.

Os cristãos ao redor da China relataram a deficiência de Bíblias e outras fontes de material cristão.

Publicadores na mira

Outro proprietário de livraria, Zhou Heng, foi preso na província Xinjiang no dia 3 de agosto de 2007 por receber um carregamento de Bíblias.

Sua Livraria Cristã Yayi foi oficialmente registrada. Zhou revelou na última semana que foi absolvido das acusações e solto em 19 de fevereiro ( leia mais).

Publicadores e distribuidores de literatura cristã estiveram entre os quatro alvos principais das autoridades chinesas em 2007, de acordo com uma reportagem recente da Associação de Ajuda à China (CAA, sigla em inglês).

Temores Olímpicos

A prisão de Shi parece fazer parte de uma sanção severa imposta sobre os grupos religiosos uma vez que o governo teme que possam suscitar vozes dissidentes durante os Jogos Olímpicos de agosto.

O Relatório de 2007 do Departamento de Estado norte-americano sobre liberdade religiosa constatou que autoridades chinesas interrogaram líderes de igrejas domésticas sobre a possibilidade de interrupção de suas atividades durante a Olimpíada.

Líderes das igrejas domésticas são considerados ilegais porque se opõem às políticas governamentais, mas estão a par das ocorrências que o Departamento de Estado noticiou – incluindo espancamento e mortes de religiosos e membros de movimentos espirituais na China detidos pela prática de suas crenças religiosas.

Fonte: Portas Abertas