Em homilia no canal católico, o padre José Augusto afirmou que não poderia se calar “diante de um partido apoiando o aborto”.

O PT e a TV “Canção Nova”, ligada à Igreja Católica, formalizaram um acordo, nesta sexta-feira, sobre o pedido do partido ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral) para veicular direito de resposta de 15 minutos contra sermão do padre José Augusto Souza Moreira.

A defesa de Dilma considerou que as palavras do padre foram ofensivas e poderiam afetar a candidatura da petista.

Ficou decidido que o partido poderá veicular um direito de resposta menor, com oito minutos de duração, na programação matinal da TV “Canção Nova”. O acordo foi apresentado ao TSE, que terá de confirmá-lo. A resposta deverá ir ao ar no dia útil seguinte ao pronunciamento do tribunal sobre o fato.

Em homilia veiculada no canal católico, o José Augusto afirmou que não poderia se calar “diante de um partido apoiando o aborto”.

“Podem me matar, podem me prender, podem fazer o que quiser. Não tenho advogado nenhum. Podem me processar e, se tiver de ser preso, serei. Mas eu não posso me calar diante de um partido que está apoiando o aborto, e a Igreja não aprova”, afirmou.

Segundo a representação do PT contra sua fala, o padre, ao dizer que poderia ser morto, ou preso, fez uma “clara sugestão caluniosa de que o PT poderia praticar algum crime contra a sua integridade física”.

O acordo enviado ontem ao TSE, afirma que, depois do pedido de resposta elaborado pelo PT, a TV Canção Nova respondeu que atenderia em parte o pleito petista, já que não houve “intenção ofensiva” nem do padre, nem da rede de televisão.

O partido insiste, porém, em dizer que a veiculação da resposta é necessária, já que a mensagem de José Augusto pode interferir no resultado das eleições.
O caso está no gabinete da ministra Nancy Andrighi.

[b]Fonte: Bol
[/b]