Preso, ex-goleiro do Flamengo se converteu à Igreja Evangélica Restaurando Vidas, criada há cinco anos pelo pastor Anderson Duarte.

“Quem nunca pecou, que atire a primeira pedra”. É assim que o pastor Anderson Duarte comenta a conversão de presos à sua Igreja Evangélica Restaurando Vidas. Na lista de novos seguidores, está o ex-goleiro do Flamengo Bruno Fernandes. O batismo do atleta, preso há dois anos na Penitenciária de Segurança Máxima Nelson Hungria, na região metropolitana de Belo Horizonte, acusado de matar Eliza Samudio, será em breve.

A Superintendência de Administração Penitenciária (Suapi) de Minas Gerais informou que os batismos geralmente são coletivos e realizados esporadicamente. O preso precisa se manifestar a favor do batismo, caso do goleiro Bruno. “Se o preso tem bom comportamento a unidade prisional pode convidar os parentes para assistirem ao ritual litúrgico”, informou também a Suapi, acrescentando que Bruno tem um comportamento “tranquilo”.

“Trabalhamos há cinco meses na Nelson Hungria e temos objetivo principal de atender espiritualmente. Existe uma carência muito grande das pessoas no atendimento espiritual. Bruno pediu orações à família”, conta o pastor.

A igreja Restaurando Vidas foi criada em 2007 por Anderson Duarte e sua mulher, Aline Duarte. Ela tem como base três preceitos: amar, restaurar e servir. A igreja, assim como muitas outras, defende que o sexo só seja praticado após o casamento. O diferencial, explica Anderson, é o livre arbítrio. “Não temos normas e regras a serem seguidas. Tudo que é imposto leva à frustração. Praticamos o livre arbítrio e não somos juízes para julgar ninguém.”

Bruno não se enquadra na regra. Ele era casado com Dayanne Rodrigues quando se envolveu com Eliza e namorou Fernanda Gomes. O goleiro se separou formalmente de Dayanne no final do ano passado. Atualmente, ele é noivo da dentista carioca Ingrid Calheiros.

Dayanne é acusada de sequestrar o filho de Bruno com Eliza, o Bruninho. A mãe de Eliza, Sônia Moura, acredita que Dayanne planejou o assassinato de sua filha e engravidou novamente de Bruno enquanto ele está na cadeia. Bruno e Dayanne já possuem dois filhos. O advogado de Dayanne nega.

Eliza desapareceu em junho de 2010 e seu corpo nunca foi encontrado. Nesta semana, o advogado da mãe dela, José Arteiro, revelou ter recebido uma carta anônima, dando conta de que o corpo de Eliza estaria em um poço perto de um convento. A carta teria sido escrita com base em um sonho e Arteiro entregou o documento à polícia mineira na última sexta-feira (22). A polícia vai analisar o documento para decidir se fará e onde fará buscas.

A assessoria de imprensa da Secretaria de Estado de Defesa Social informou ao iG que o Complexo Penitenciário Nelson Hungria recebe regularmente visitas de pastores e padres, que atendem os presos individualmente, de acordo com a demanda. “No pavilhão em que o Bruno está detido já foram realizados um culto evangélico e duas missas. Macarrão, que não está preso no mesmo pavilhão que Bruno, não participa das mesmas atividades religiosas”.

[b]Rotina na cadeia
[/b]
Bruno trabalha como faxineiro no pavilhão em que está detido, de segunda a sexta-feira. Por mês, ele recebe três quarto do salário mínimo, além de ser beneficiado com a remição de pena, ou seja, a cada três dias trabalhados, um a menos na pena. Ele está sozinho em uma cela individual de seis metros quadrados desde abril do ano passado. Além de uma cama de alvenaria e banheiro, há chuveiro, pia e um vaso sanitário.

Os presos recebem um kit com cobertor colchão, uniforme e material de higiene pessoal. Na cela de Bruno, há uma televisão de 14 polegadas e um rádio, que foram levados por seus familiares. Ele acorda às 7h30 da manhã, toma um café, almoça por volta de meio dia e faz um lanche às 15h. O jantar ocorre por volta de 18h e há banho de sol por duas horas ao longo do dia.

[b]Fonte: Último Segundo[/b]