Um polêmico questionário sobre sexualidade elaborado pelo Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de São Caetano para investigar eventuais abusos sofridos por crianças foi tirado de circulação ontem pela prefeitura.

O material, voltado para todos os alunos das redes municipal e estadual, trazia perguntas como: “Alguém já tocou no seu bumbum”, ou “Você já viu filme com gente pelada? Quem mostrou?” para crianças de 1ª a 4ª séries, e outras como “Qual sua orientação sexual? Homossexual ou heterossexual”, para adolescentes do ensino médio.

O questionário provocou a reação de grupos que trabalham com casos de abuso infantil. Ele foi considerado embaraçoso, desastrado e, ainda por cima, inútil. Para especialistas, fazer esse tipo de pergunta de modo impessoal e em larga escala pode não ter o resultado esperado.

“De imediato isso me revolta. A melhor forma de evitar abuso sexual e toda forma de violência infantil é informar as crianças desde pequenas sobre essas questões”, comenta o pediatra Lauro Monteiro Filho, da Associação Brasileira de Proteção à Infância e à Adolescência (Abrapia).

Fonte: Estadão