As mensagens de fé, paz e confraternização, normalmente ouvidas nas celebrações religiosas, teriam sido substituídas por palavras de ofensas e acusações, na missa desse último domingo, na paróquia Maria Mãe do Senhor, no bairro Nossa Senhora de Fátima, em Sabará, região metropolitana de Belo Horizonte.

Segundo algumas pessoas presentes na celebração, no momento da liturgia, o padre da igreja, de 38 anos, deixou o altar bastante nervoso, andou em direção a um rapaz e o arrastou pelo braço até a saída da igreja, proibindo-o de voltar.

Após a atitude alterada, testemunhas afirmaram ontem que o pároco retornou ao altar, deu a bênção final e encerrou a missa. A maior parte dos fiéis voltou para casa sem entender o que estava acontecendo. Outros assistiram ainda a Polícia Militar chegar à igreja para atender à denúncia de agressão, registrada contra o padre.

O jovem que teria sido expulso da paróquia foi o estudante Tiago de Paula Roberto, 18. Para o rapaz, o motivo da agressão foi pessoal, por causa de sua orientação sexual.

A atitude do padre Sérgio Emílio Corrêa de Oliveira de parar a missa para xingar e expulsar o rapaz chocou os fiéis que estavam na igreja. Uma frequentadora da paróquia Maria, Mãe do Senhor disse que todos assistiram a cena horrorizados e ouviram o padre chamar o jovem de mau caráter e desequilibrado.

“Ele vive cobrando das lideranças do bairro comportamentos melhores. O que ele fez não tem explicação. Se estava com algum problema pessoal com o rapaz, que resolvesse depois da missa, fora da igreja”, opinou uma testemunha do fato.

Em nota, a assessoria de comunicação da Arquidiocese de Belo Horizonte informou ontem, que o padre Sérgio foi chamado ao Arcebispado para relatar o ocorrido no domingo, na paróquia a ele confiada como administrador paroquial.

Segundo a Arquidiocese, o padre em sua explicação, relatou que o ocorrido foi com um jovem que freqüentemente importuna as celebrações Eucarísticas da paróquia e, para intervir na situação, considerou mais prudente acionar a polícia. E, após a conversa com pároco, foi solicitado uma avaliação geral e um relatório minucioso ao Conselho Paroquial de Pastoral para uma solução do problema.

Fonte: O Tempo