O desejo de Bíblias e a sede por conhecimento do cristianismo é o que tem sido chamado de “boom da Bíblia” em Cuba.

A reabertura de uma embaixada americana em Cuba também tem contribuído para que o país se torne mais aberto ao cristianismo.

As relações entre Cuba e Estados Unidos foram marcadas pela tensão, se não completamente fechadas desde a Guerra Fria. No entanto, após 53 anos, os dois países estão finalmente vendo algum progresso em direção a um melhor relacionamento.

O Secretário de Estado, John Kerry, que presidiu a cerimônia de reabertura da embaixada americana em Cuba, foi o primeiro representante com esta função a visitar o país em 70 anos.

“O povo de Cuba seria melhor servido por uma verdadeira democracia, onde as pessoas são livres para escolher seus líderes”, disse Kerry, de acordo com um relatório da Deseret News.

Com o progresso diplomático que está em andamento, os avanços em questões religiosas também parecem estar em vista.

Em maio, Cuba suspendeu a proibição de Bíblias no país – uma lei que estava em vigor há 50 anos. Segundo as autoridades cubanas, os exemplares das escrituras sagradas só foram autorizados para igrejas e ainda não podem ser vendido em lojas.

O desejo de Bíblias e a sede por conhecimento do cristianismo é o que tem sido chamado de “boom da Bíblia”. No mês passado, foi relatado que a placa de Missões Internacionais enviou quase 83 mil Bíblias para Cuba.

A American Bible Society, comentou: “Com uma população de 11 milhões, uma taxa de alfabetização de quase 100 por cento e um crescimento sem precedentes no Cristianismo graças às reformas sociais, econômicas e políticas, muitos cubanos estão buscando orientação e esperança encontrada na Palavra de Deus.”

Os cubanos também estão na expectativa da visita do Papa Francisco ao seu país, em setembro, antes que ele também visite os EUA.

[b]Cresce o número de igrejas e necessidade de Bíblias[/b]

As igrejas dependem das doações de Bíblias, e têm tido dificuldade em atender a demanda por causa do número crescente de novos cristãos.

O cristianismo está ganhando espaço em Cuba, mesmo sob o regime comunista de seu governo. Uma indicação disso é a contínua distribuição de milhares de Bíblias, que têm chegado até os fiéis em mais de mil igrejas do país.

Em julho, cerca de 83 mil cópias da Bíblia foram entregues no país em uma ação do Conselho Internacional de Missões. Os exemplares foram distribuídos pela Convenção Batista, em Cuba.

A American Bible Society (Sociedade Bíblica Americana), afirma ter “fortes relações com as igrejas cubanas, tanto com católicos como protestantes” e também iniciou uma campanha chamada “Missão Milhão de Bíblias” no ano passado. Cerca de 60 mil Bíblias foram importadas e distribuídas aos fiéis em 2014 com a permissão do governo cubano.

“Como resultado dessa mudança espiritual e cultural sem precedentes, a demanda por Bíblias ultrapassou a demanda por alimentos. Além disso, muitos cubanos não podem se dar ao luxo de importar Bíblias de alta qualidade”, continuou a instituição.

As Bíblias são banidas das prateleiras de livrarias cubanas há mais de meio século. As pessoas só têm acesso a elas dentro das? igrejas. As igrejas, por sua vez, dependem das doações de Bíblias, e têm tido dificuldade em atender a demanda por causa do número crescente de novos cristãos.

O número de igrejas tradicionais em Cuba atingiu a marca dos mil em 2015, enquanto as igrejas domésticas aumentaram para quase 8 mil.

Em março de 2014, mais de 6 mil cubanos visitaram, logo na primeira semana, uma exposição de manuscritos e artefatos bíblicos, como os manuscritos do Mar Morto e rolos da Torá judaica, em Havana.

[b]Fonte: Guia-me[/b]