Revelado pelo Santos no final da década de 80, o volante Axel só parou de jogar no início do ano, quando defendeu o Pelotas-RS. Axel pretende abrir uma filial da igreja Filadélfia em Santos. Ele afirmou estar cumprindo um chamado de Deus.

Futebol para Axel, agora, só no Showbol, quando voltará a defender a equipe que o lançou para o futebol no Campeonato Brasileiro da categoria.

“É sempre uma satisfação jogar pelo Santos, um time que tenho muito carinho. Além disso, sou santista e moro na cidade”.

Axel decidiu focar seus esforços nos projetos sociais que está tocando em parceria com a Prefeitura de São Vicente. “Fui convidado no começo do ano. Em breve devo sentar com um vereador de lá para saber minha participação no projeto. Agora que larguei o futebol, devo me dedicar nisso integralmente”.

O ex-jogador, também, irá se dedicar a vida evangélica. Axel pretende abrir uma filial da igreja Filadélfia em Santos. Ele afirmou estar cumprindo um chamado de Deus.

“Desde 2001 ele me convoca para trabalhar em seu nome, por isso vinha já pulsando essa decisão [de parar], que foi se intensificando com o tempo. Em novembro do ano passado minha intimidade com Deus aumentou, a voz dele mais ficou alta dentro de mim. Então decidi responder a esse chamado”, declarou Axel, que se converteu à igreja evangélica há 13 anos.

Enquanto não abre a Igreja, Axel reúne semanalmente os amigos em sua casa na Ponta da Praia para realizar encontros com Deus, como ele mesmo define. “É um momento onde a gente costuma fazer oração, ouvir palavras de fé, cantar cânticos”, explicou o ex-jogador, que afirma reunir em média vinte pessoas.

Apesar de ter decidido abandonar a carreira, Axel não se desligou totalmente do futebol. Ele disse ter ido à dois jogos do Santos na competição, e mostrou ser pé-quente. “Fui nas vitórias contra o Corinthians [2 a 1] e San José [7 a 0]. É muito bacana porque o torcedor sempre lembra da gente, trata com carinho”.

Além de assistir aos jogos do Santos na Vila Belmiro, Axel conta que tem contato com alguns jogadores do elenco atual. “Joguei com o Rodrigo Souto no Figueirense, o Kleber Pereira no Atlético-PR e conheci o Fábio Costa quando me recuperei no Santos em 2002. São meus amigos até hoje”.

Teria alguma dica para Rodrigo Souto, já que atuou no mesmo espaço de campo do que ele? “Não tem essa de dica, ele joga o fino da bola”, afirmou.

Apesar de não aconselhar Rodrigo Souto, Axel arriscou alguns palpites de torcedor sobre a atual situação do Santos na temporada. “Precisa melhorar o ataque para vencer. Só o Kleber Pereira faz gol no setor. Isso é pouco se o Santos quiser ir longe na Libertadores”.

Fonte: Pelé Net