O rei saudita Abdullah perdoou ontem uma mulher vítima de estupro que fora condenada em novembro a 200 chibatadas e seis meses de prisão, livrando-a da pena.

A xiita estuprada, de 19 anos, havia sido condenada inicialmente a 90 chibatadas por estar sozinha em um shopping com um homem que não era seu parente quando foi seqüestrada por sete estupradores. Ao apelar da sentença, teve a pena aumentada, causando comoção internacional.

Os estupradores também tiveram suas penas aumentadas na apelação, de até cinco para até nove anos de prisão. O país tem um sistema de cortes religiosas que seguem a lei islâmica (sharia) e muitas penas dependem da interpretação do juiz.

A Comissão de Direitos Humanos do governo informou que o perdão foi decidido em resposta à controvérsia sobre o caso.

Fonte: Folha de São Paulo