Representantes do Movimento Negro Unificado, do Centro de Defesa das Religiões Afro-Brasileiras (Cedrab) e do Conselho de Cultos Afro Umbandistas de Gravataí (Concaugra) estiveram reunidos no dia 31 de agosto, com o procurador-chefe da Procuradoria da República no Rio Grande do Sul, Carlos Eduardo Copetti Leite, em Porto Alegre.

Os religiosos estiveram no Ministério Público Federal para entregar representação ao Ministério Público Federal denunciando a prática de desrespeitos praticados por Igreja Universal do Reino de Deus, TV Record, Editora Record e Edir Macedo.

As denúncias feitas ao MPF-RS relatam casos de ofensas através de programas de televisão veiculados na Rede Record, durante cultos religiosos na Igreja Universal do Reino de Deus e por um livro editado pela Editora Record de autoria de Edir Macedo, o Bispo Macedo. Macedo, membro da Universal, publicou o livro Orixás, Caboclos e Guias, Deuses ou Demônios? pela Editora Record e os seguidores das religiões de berço africano apontam o livro como ofensivo e preconceituoso em relação às suas crenças.

No encontro, o procurador Copetti garantiu que o MPF-RS investigaria a representação por meio da Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão. Ele lembrou que o Brasil é um país de muitas etnias, onde todos deveriam saber tolerar suas diferenças em paz.

Record e Macedo

Não é de hoje que Edir Macedo e a Record enfrentam questionamentos na Justiça por suas posturas perante outras religiões. Em 2004, a Procuradoria da República em São Paulo ajuizou com ação civil pública contra a TV Record por veicular sucessivas ofensas aos cultos afro-descendentes durante a programação.

Em 2005, na Bahia, o MPF pediu a proibição do livro de Macedo pelo seu conteúdo ofensivo e discriminatório. Em ambos os casos, a Justiça Federal deu razão aos argumentos do Ministério Público Federal.

Fonte: Expresso da Notícia