Jaime Sodré, seguidor do candomblé, escreveu um artigo em um jornal baiano elogiando o trabalho do pastor Djalma Torres contra a violência e preconceito entre as religiões.

Durante eventos da Igreja Batista do Nazareth foram reunidas lideranças religiosas da Bahia. O pastor recebeu ano passado o Prêmio de Direitos Humanos das mãos da presidenta Dilma Rousseff.

O texto intitulado ‘Viva o pastor Djalma de Ogum!’ foi publicada na coluna Balaio de Ideias do jornal A Tarde. Além de parabenizar a luta do pastor Djalma Torres, o religioso do candomblé Jaime Sodré comemora os 38 anos da igreja, localizada na capital Salvador. “Acolhidos, estávamos em casa, sem restrições ou olhares de intolerâncias”, ressaltou Jaime Sodré sobre o convívio com a igreja e o pastor Djalma Torres.

“Em especial, destacamos a participação solidária na luta contra a intolerância religiosa, reconhecimento e respeito à diversidade sexual. Estimulando o dialogo com as paróquias católicas, comunidades protestantes e movimentos sociais, a Igreja alargava o seu horizonte”, diz Sodré parabenizando o trabalho do pastor Djalma.

“Na compreensão de que o Reino de Deus é maior do que as suas paredes, sejam físicas ou mentais’ destacamos a disposição do pastor Djalma Torres em dialogar, compreender e participar, como militante ativo, contra as manifestações que vinham de grupos religiosos que, numa demonstração de inadaptação de uma convivência interreligiosa, atacavam o Candomblé”, completou.

Jaime explicou sobre o título polêmico. “O Pastor Djalma Torres, pela sua seriedade e apoio às nossas causas, tornou-se um irmão especial, e para retribuir este seu carinho e solidariedade, o povo-de-santo, reconhecendo a sua coragem, sinceridade, em um tom alegre, jocoso, mas respeitoso, desejando ter a honra de integrá-lo em nosso meio, resolveu chamá-lo de Pastor Djalma de Ogum”, justificou.

Jaime fala sobre o evento de comemoração de 35 anos da Igreja Batista, onde esteve presente. “Uma história de muitas histórias dos irmãos solidários, sempre em busca de novos horizontes inclusivos”, disse sobre a igreja evangélica. Sobre os pastores que promoviam o evento, ele declarou: “privilégio da companhia”.

“No mínimo estranheza deveria, em outros tempos, causar a visita de um fiel do candomblé a um templo protestante, mas assim o fizemos por obediência à orientação de Ebomi Cidália, que recomendava esta salutar visita para estreitar laços de amizades, enriquecer o conhecimento e abraçar amigos”, destacou ainda Jaime.

Em dezembro de 2012, o pastor Djalma Torres recebeu o prêmio de Direitos Humanos, entregue pela presidenta Dilma Roussef. Seu trabalho foi destaque e recebeu o prêmio na categoria Diversidade Religiosa, em reconhecimento da sua luta em prol do Ecumenismo e do Diálogo Inter-Religioso.

[b]Fonte: The Christian Post[/b]