A Conferência Conjunta Nacional para Lideranças de Grupos Religiosos da China divulgou hoje (12) uma declaração refutando o relatório de liberdade para religião Internacional de 2014 publicado pelos EUA.

A entidade chinesa pediu que os norte-americanos suspendam as ações erradas, cuidem mais dos problemas religiosos internos do país e se esforcem para realizar a liberdade de crença e a harmonia entre as religiões

Segundo o texto, a China insiste na politica de liberdade de crença religiosa, e na transparência para tratar de assuntos religiosos. Os EUA querem criar disputas no país asiático via problemas religiosos e impedir o desenvolvimento pacífico da China. ao conferência chama isso de trabalho fútil.

Entretanto, a declaração enfatiza também que tanto religiosos, como não-religioso devem cumprir as leis, o que é um consenso em toda a comunidade internacional. Utilizar o fator religioso para realizar atividades ilegais ou criminosas são ações que o governo chinês não permite. O país tem direito de tratar esses casos de acordo com sua própria lei, defendendo a justiça da sociedade e garantindo a liberdade de crença religiosa dos cidadãos.

[b]Fonte: CRI online[/b]