O livro “A estratégia: o plano dos homossexuais para transformar a sociedade” não está na nova edição da revista Avon. Silas Malafaia garante que o contrato não foi encerrado.

Após causar polêmica no último mês, ativistas gays por não concordarem com a publicação de livros do pastor no catálogo da revista considerando os temas homofóbicos, realizaram pela internet um abaixo assinado solicitando a retirada dos livros.

À princípio, a revista se manifestou dizendo que tem “como um de seus mais importantes pilares o respeito à diversidade, em todos os seus aspectos”.

A revista ainda disse que objetivo da empresa era “atender de forma ampla e democrática aos consumidores de mais de 100 países, oferecendo uma ampla variedade de cosméticos e outros produtos – entre eles os livros – para atender à pluralidade de preferências, ideias e estilos de vida”.

A resposta oficial da revista Avon, porém, foi declarada na publicação do catálogo “Moda e Casa” deste mês, não contendo mais os livros do pastor Silas Malafaia.

O pastor reagiu à iniciativa da empresa, manifestando-se em sua rede social dizendo que os ativistas estavam dando “um tiro no pé”, entendendo que esta manifestação o promove.

Silas ainda disse esta situação dá a ele elementos para que a lei PLC 122 seja “enterrada”.

“Estão me dando elementos como nunca para que o PLC 122 seja definitivamente enterrado, pois se antes de ter leis que dão a eles privilégios, eles já se acham no direito de perseguir e intimidar aqueles que são contra seus ideais, imaginem se a lei for aprovada”, disse o pastor.

[b]Malafaia afirma que seus livros não saíram da Avon
[/b]
O site Gospel Prime publicou um texto com informações da revista A Capa falando sobre a ausência de títulos da Editora Central Gospel nos folhetos de venda da AVON, empresa que foi pressionada por ativistas gays para deixar de trabalhar com livros do pastor Silas Malafaia.

Ao ficar sabendo sobre essa informação, o líder da Igreja Assembleia de Deus Vitória em Cristo escreveu em seu site, o Verdade Gospel, que a empresa não cancelou o contrato com sua editora, mas que divulga esses produtos alternando em algumas quinzenas.

Malafaia desmentiu a reportagem do Gospel Prime e ainda acusa os militantes homossexuais de implantarem notícias falsas. “É importante esclarecer que em algumas quinzenas não sai propaganda do nosso produto. Isto é comum neste catálogo. Temos programação para até o final do ano, portanto, mais uma mentira e safadeza de ativistas gays, o que é bem peculiar do caráter deles”, escreve o pastor.

A equipe do Gospel Prime entrou em contato com uma revendedora AVON da capital paulista que explicou que empresa envia dois folhetos por mês, ou seja, a cada 15 dias entra uma campanha nova e teve acesso às últimas três campanhas 11, 12 e 13 e em nenhum dos folhetos foram encontrados produtos da Central Gospel.

[b]Como tudo começou
[/b]
Segundo publicação da Carta Capital, tudo começou quando um professor de inglês e seu namorado que em meio a promoções de perfume e maquiagem se depararam com os livros de Malafaia no catalogo da revista.

A entrevista conta que o professor que não faz parte de nenhuma organização LGBT se indignou com os temas dos livros e resolveu protestar escrevendo uma carta para a empresa brasileira, que segundo ele em publicação, não se manifestou de imediato levando-o a traduzir a carta para o inglês e enviou para empresa americana.

O professor conta que pouco tempo depois a empresa se manifestou em comunicado em página do facebook “variedade de títulos comercializados contempla a diversidade de estilos de vida, religião e filosofia presentes em nosso País”.

Porém o professor acredita que o fator de principal foi o fato de que seu namorado é representante ‘Estrela’ da Avon, considerado um dos melhores vendedores e resolveu deixar o cargo como protesto. Neste meio tempo, conta o professor, que pessoas e representantes do grupo LGBT também resolveram se manifestar.

[b]Fonte: The Christian Post e Gospel Prime[/b]