Está sendo erguido na cidade de Ribeirão Preto, a 319 km de São Paulo, no norte do estado, um dos maiores templos evangélicos do país. A obra está sendo erguida pela Igreja Assembléia de Deus e deve ficar pronta em 2012. A capacidade será para 12 mil fiéis, segundo informação do jornal A Cidade.

Os três maiores templos evangélicos do país estão na capital paulista, Cuiabá e Rio de Janeiro – o da Igreja Deus é Amor, para 36 mil pessoas sentadas, no Cambuci, região central de São Paulo; e o de Cuiabá, também da Assembléia de Deus, para 20 mil pessoas sentadas, e o da Igreja Universal do Reino de Deus, localizado em Del Castilho, conhecido com o “Maracanã” do bispo Edir Macedo, onde cabem cerca de 12 mil, o mesmo tamanho do novo templo que surgirá em São Paulo.

O templo de Ribeirão Preto tem 14 metros de altura e uma circunferência de 289 metros. A obra, em fase de acabamento, pode ser vista de longe por quem trafega pela Via Norte, uma das principais vias de Ribeirão Preto.

A idéia é que ele fique do mesmo tamanho do templo do Rio de Janeiro. A informação sobre a capacidade dos templos é da Eclésias, uma publicação evangélica mensal, sem vínculo com qualquer Igreja e editada em São Paulo.

O de Ribeirão Preto está sendo construído num terreno de 32.500 m², comprado no final da década de 90. O local precisou ser aterrado e nivelado para receber a grande estrutura. Iniciada em 2001, a construção tem vários engenheiros e um único mestre-de-obra: o pastor Vitor Borges de Oliveira, 63 anos. Pedreiro há quarenta anos, o pastor Vitor toca o grupo de trabalhadores que já teve 50 homens, nos primeiros anos, e hoje reúne cerca de dez.

A fase mais onerosa da obra, segundo o pastor Vitor, vai começar agora: é o acabamento. O templo tem que ser fechado, de preferência com vidro, numa circunferência de 289 metros. A cobertura, com estrutura de aço galvanizado, vai receber placas de alumínio com recheio apropriado para isolar calor e barulho. O piso da nave deve ser de granito. O púlpito e o tanque batismal ficarão na parte do fundo. As arquibancadas terão assentos de plástico individuais. Pelo seus cálculos, serão necessários mais R$ 9 milhões.

O pastor explicou que o templo vai disponibilizar 31 salas sobre sua laje da arquibancada. No local, poderão funcionar escolas e uma série de atividades sociais e de aprendizado. Para se ter uma ideia, cada compartimento, se transformado em sala de aula, poderá comportar 30 alunos. Mas a Assembléia de Deus promete construir outro prédio, na área do templo, para o funcionamento de uma escola, que deverá ser tocada pelo município ou Estado.

O idealizados da obra paulista é o também pastor Antônio da Silva Santana. Perto de completar 77 anos, no dia 13 de junho, ele acaba de ser eleito o primeiro tesoureiro das Igrejas Assembléia de Deus do Brasil. A eleição foi o reconhecimento ao trabalho de evangelização que ele desempenhou especialmente em Ribeirão Preto. Ao chegar, há 25 anos, havia apenas quatro templos na cidade. Hoje são 45 e cerca de 20 mil fiéis. Na região, o crescimento também foi incomum. São 65 templos em 25 municípios. Sertãozinho tem 11.

Baiano de Cruz das Almas, foi Santana quem orientou a compra do terreno, no começo dos anos 90. Ele planejou também a construção do templo para doze mil pessoas. As obras, iniciadas há nove anos, são bancadas unicamente com a colaboração dos fiéis. “Aqui tudo é muito bem calculado. É claro que temos pressa em concluir o templo mas não devemos atropelar as nossas limitações”, disse.

O grande objetivo da Assembléia de Deus é promover os cultos em seus 45 templos espalhados por Ribeirão durante a semana e, aos domingos, reunir os fiéis no grande templo. O lugar sediará também grandes eventos, como o Congresso da Mocidade, que chega a reunir 15 mil pessoas; e a confraternização do Círculo de Orações.

Ribeirão Preto tem cerca de 70 grupos cristãos evangélicos e aproximadamente 250 templos. Só a Assembléia de Deus possui 45 templos espalhados pela cidade, um a mais que a Igreja Católica, com 44 paróquias.

As informações são do pastor Anézio Massuia, ex-presidente do Conselho de Pastores de Ribeirão.

Fonte: O Globo online