A Justiça de São Nicolás, na Argentina, deteve o sacerdote católico Miguel Ángel Regueiro, investigado por sua atuação durante a última ditadura militar no país (1976-1983), informaram fontes judiciais.

Regueiro foi detido na cidade de Córdoba, capital da província homônima (centro), onde atuava como pároco em uma pequena igreja, e foi levado imediatamente a São Nicolás, jurisdição do juiz Carlos Villafuerte Ruzo, que ordenou sua detenção.

O sacerdote, de 73 anos, é suspeito de saber de violações aos direitos humanos e desaparecimentos de pessoas quando era capelão do Exército em uma unidade militar de São Nicolás, 240 quilômetros a noroeste de Buenos Aires.

Dois militares reformados são processados na mesma causa e nos últimos dias foi detido um ex-suboficial do Exército, segundo as fontes.

De acordo com dados oficiais, 18 mil pessoas desapareceram na Argentina na última ditadura militar, embora as organizações de direitos humanos elevem esse número a 30 mil.

O padre Cristian Von Wernich será nos próximos meses o primeiro representante da Igreja Católica argentina a se submeter a um julgamento oral e público por crimes contra a humanidade cometidos nos “anos de chumbo”.

Dezenas de testemunhos indicam este religioso, de 68 anos, detido desde setembro de 2003, como cúmplice em 45 casos de seqüestros e torturas, três homicídios e aliciamento de um menor.

Fonte: EFE