O arcebispo de Cali, monsenhor Juan Francisco Sarasti, enviou ontem ao Tribunal Eclesiástico regional da Igreja católica as denúncias contra um sacerdote da catedral dessa cidade por inúmeras faltas a normas religiosas, o que tornou essa igreja em um “antro de sodomia”.

“Em relação à acusação difundida contra o clero que presta seus serviços na catedral de Cali enviei ao Tribunal Eclesiástico regional o pedido para uma investigação, para que se estabeleça juridicamente a verdade dos fatos conforme as normas canônicas”, disse o monsenhor Sarasti ao ler um comunicado.

As denúncias recaíram sobre o sacerdote Fred Potes, de 71 anos de idade e 48 como sacerdote, que estava há três anos à frente da catedral de Cali, e foram feitas pelo ex-presbítero Germán Robledo.

Robledo, que foi presidente do Tribunal Eclesiástico, fez as afirmações em uma carta enviada a Sarasti, na qual assegurou que a catedral “se converteu em um antro de sodomia”.

Segundo a denúncia, os donativos recolhidos na catedral de Cali eram utilizados para “pagar hipotecas, inclusive extorsivas, e para serviços homossexuais”.

Na carta, o ex-sacerdote também pergunta ao monsenhor Sarati o porquê da “permissividade” de alguns sacerdotes da arquidiocese sob seu comando, e cita como exemplo o caso de um sacerdote que, segundo ele, foi ordenado no mesmo dia em que seu filho nasceu.

Robledo disse ter informação documentada de vários casos de sacerdotes que possuem amantes, filhos e alguns são até denunciados por não pagar pensão alimentícia.

“Estou de um lado para poder ter liberdade, denunciar e não ser ameaçado por represálias que lá (na igreja) ocorrem”, disse a rádio Caracol o ex-sacerdote Robledo.

Potes disse que espera a decisão do Tribunal Eclesiástico, “que deve examinar meu comportamento de acordo com testemunhos que tenha e de acordo com os fatos que eu possa apresentar”.

“Quando um está em investigação não pode fazer afirmações”, manifestou.

Em seu comunicado, o arcebispo Sarasti disse que sua arquidiocese é formada “em sua imensa maioria por sacerdotes generosos e abnegados” e que é “profundamente injusto lançar sobre eles sombras de dúvidas ou generalizações irresponsáveis”.

Também assegurou que em Cali, como em outras dioceses do mundo, “são apresentadas ocasionalmente falhas contra a observação do celibato e da castidade por parte de alguns sacerdotes que se tornam inferiores aos seus compromissos”.

“Isso é certamente lamentável e não se pode justificar de forma alguma, ainda mais, induz ao equívoco de acumular os fatos de diferentes épocas e circunstâncias para deixar a impressão de uma grande desordem moral”, opinou.

Finalmente, Sarasti convidou aos católicos que se aproximem dos sacerdotes e pediu “que orem continuamente por eles para que cumpra fielmente o serviço que lhes foi encomendado”, enquanto lamentou o tratamento que imprensa deu ao caso.

Fonte: Ansa