A polícia vietnamita indiciou o padre Nguyen Van Ly por sabotagem contra a República Socialista do Vietnã. Nguyen já havia passado dez anos na prisão por sua luta em defesa da liberdade religiosa.

De acordo com o jornal “Tuoi Tre”, a polícia decidiu acusá-lo formalmente no sábado, 24, em Huê, onde ele mora.

Na semana anterior, o informativo “Églises d’Asie”, citando “uma fonte próxima a Nguyen”, disse que sua casa no prédio Nha Chung, que faz parte do complexo residencial dos bispos, foi revistada no dia 18. Nesse mesmo complexo vivem o bispo e outros sacerdotes, entre os quais Nguyen. A agência de notícias do Vietnã disse que ele era suspeito de violar a lei.

Por volta das 8 horas, o prédio foi cercado por 60 oficiais e as linhas telefônicas foram cortadas. Uma equipe de agentes chefiada por um coronel especialista em questões religiosas entrou no local e vasculhou o quarto do religioso, arrombando um armário que ele se recusou a destrancar. O secretário do arcebispo estava presente como testemunha.

Seis laptops e seis telefones celulares pertencentes a Nguyen e seus assistentes foram confiscados junto com vários documentos.

De acordo com a organização Repórteres Sem Fronteiras, a polícia também prendeu outros dois sacerdotes, acusando-os de editar a “Tu do Ngôn luan” (Livre Expressão), uma revista clandestina.

A mesma fonte informou que Nguyen foi colocado em prisão domiciliar em uma paróquia isolada.

Essas ações policiais acontecem não muito depois que o governo publicou um documento sobre liberdade religiosa no país e o primeiro-ministro Nguyên Tân Dung visitou o Vaticano, em 25 de janeiro, quando discutiu a normalização das relações diplomáticas entre os dois países.

Fonte: Portas Abertas