O sacerdote e escritor italiano Renzo Lavatori reuniu os textos que falam do diabo, pertencentes ao primeiro milênio do Cristianismo, para descrever satanás em suas diversas formas em sua última obra, “Antologia diabólica”, apresentada oficialmente nesta quarta-feira.

Com este trabalho, apresentado na Pontifícia Universidade Urbaniana de Roma, Lavatori permite que o leitor possa reconhecer o demônio e conhecer as armas para combatê-lo.

O livro oferece um grande apanhado de textos bíblicos, apócrifos e obras escritas por Padres Apostólicos, e até o estudo feito pelo Corão para descrever a figura de lúcifer.

O próprio autor define seu trabalho como uma “galeria de arte” que oferece uma visão ampla e completa de satanás, suas origens, sua culpa, suas características, suas proezas, seu modo de se comportar e sua influência na história e no comportamento humano.

Durante a apresentação, o cardeal português José Saraiva Martins, prefeito regional da Congregação para as Causas dos Santos, louvou a coragem de Lavatori em explorar um território que definiu como “nada fácil”, já que falar do diabo, segundo ele, é sempre algo “desagradável”.

O cardeal ressaltou que a obra “arranca a demonologia do âmbito do cinema de terror, da literatura e da parapsicologia para incluí-la no campo da teologia”.

Em referência às representações do diabo apresentadas geralmente, Lavatori insistiu que ele não costuma ser apresentando com atributos
humanos, mas como um “ser espiritual fechado ao amor”.

Além disso, Lavatori, que é professor de Teologia na Pontifícia Universidade Urbaniana, afirmou que existem três limites que garantem que “satanás atue, mas não vença”.

Os limites são, segundo o sacerdote, o livre arbítrio dos homens, a cruz e a ressurreição de Cristo, e o fato de que ele só faz aquilo que Deus lhe permite.

Fonte: EFE