Ao que tudo indica, os ataques a padres e igrejas da zona norte de Franca chegaram ao fim. Isso porque na noite desta terça-feira (14) um sapateiro de 26 anos confessou ser o autor dos ataques a bomba a dois padres e a templos da região.

Ele alegou que estaria revoltado porque começou a freqüentar as igrejas, mas não obteve bons resultados na sua vida.

O acusado foi ouvido durante horas no 5º Distrito Policial e somente acabou confessando após a polícia conseguir imagens do circuito interno de vídeo da Igreja São Crispim, no bairro City Petrópolis, que flagrou um de seus ataques. Na filmagem era possível observar um homem vestindo uma camisa com o número 10 nas costas, igual a que foi localizada em sua casa, perto da igreja.

O sapateiro diz que começou a fazer os ataques porque teria sido prejudicado pela igreja. Segundo ele, ao passar por situação difícil na vida resolveu começar a ir nas missas. O problema é que desde então tudo passou a dar mais errado ainda em sua vida. ‘Parecia até que eles se uniram na igreja para fazer macumba contra mim’, afirmou.

Até por volta das 20h ele continuava sendo ouvido na delegacia, mas provavelmente seria liberado em seguida. A polícia pretende requisitar exames para ver se o sapateiro não sofre de problemas mentais. Caso fique comprovado que é uma pessoa normal, deverá ser pedida sua prisão preventiva.

Histórico

Conforme noticiado pelo Cosmo, a série de ataques a igrejas e a religiosos teve início há cerca de quatro meses. O caso mais recente foi registrado no último domingo (12), quando uma bomba de fabricação caseira foi atirada contra a casa paroquial onde residem os padres da Igreja São Crispim.

A bomba, do tipo coquetel molotov — feita com uma garrafa cheia de gasolina e com um pano na ponta, foi jogada no interior da casa dos padres. Felizmente, bateu em um dos dois veículos que estavam na garagem e não atravessou a janela.

Uma pessoa que passava pela rua viu o início do fogo e parou seu carro para evitar que as chamas se propagassem. Usando um extintor de carro conseguiu apagar o princípio de incêndio, mas o veículo Gol de um dos padres ficou parcialmente queimado.

Segundo relataram religiosos, a própria igreja já fora alvo de ataque parecido, assim como uma outra localizada em um bairro próximo. Casas de fiéis que prestam serviço nas paróquias também teriam sido atacadas, inclusive a tiros. Agora, com a descoberta do suposto autor, a expectativa é que tudo volte à normalidade.

Fonte: Cosmo On-line